CongressoMídiaSupremo

NO SUPREMO. José Otávio é acusado de obter recursos ilegais para campanha de Yeda, diz revista

José Otávio é investigado por ordem do STF e a denúncia...
José Otávio é investigado por ordem do STF e a denúncia...

Ninguém sabe como irá terminar. Nem quando. Mas o fato é que o desgaste de apoiadores da governadora Yeda Crusius pode respingar na própria. Agora, é a revista IstoÉ, que em reportagem “exclusiva” na edição que está nas bancas, que traz informações que têm tudo para causar, no mínimo, constrangimento. E envolvem também o PP, na pessoa de um de seus mais importantes militantes até agora: José Otávio Germano, deputado federal e ex-secretário de Segurança do governo Germano Rigotto, do PMDB.

Segundo a denúncia que está sendo investigada no Supremo Tribunal Federal, foro privilegiado de deputados federais, Germano é acusado de “obter recursos ilegais” para a campanha da então candidata tucana ao Governo gaúcho. Para saber mais detalhes, acompanhe o texto assinado pelo jornalista Hugo Marques. Ah, e lá embaixo, confira o “EM TEMPO” claudemiriano. A seguir:

O arrecadador de Yeda
Ministério Público acusa o deputado gaúcho José Germano de obter recursos ilegais para campanha eleitoral no Rio Grande do Sul e complica ainda mais a situação da governadora

Na quarta-feira 14, a governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, recebeu uma boa notícia. O Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região excluiu seu nome da ação de improbidade administrativa para punir a máfia que desviou R$ 44 milhões do Detran. Réu na mesma ação, o deputado federal José Otávio Germano (PP-RS) também comemorou, pois o TRF desbloqueou seus bens. O destino da governadora, porém, ainda está incerto.

... foi parcialmente reproduzida na reportagem da IstoÉ
... foi parcialmente reproduzida na reportagem da IstoÉ

Um inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ao qual ISTOÉ teve acesso, pode complicar sua situação. A pedido do Ministério Público Federal (MPF), o STF investiga o envolvimento de José Germano com os desvios no Detran gaúcho Os procuradores do Estado concluíram que José Germano, em troca do direito de nomear o diretor do Detran, ajudou Yeda a arrecadar recursos após a campanha.

 

Assim, ele continuou comandando as fraudes no órgão. “Surgiram novos elementos que indicam o envolvimento do deputado José Germano nas fraudes praticadas no Detran”, conclui o procuradorgeral da República, Roberto Gurgel. O deputado José Germano foi indiciado no STF por crime contra a Lei de Licitações e peculato, o que pode somar uma pena de até 17 anos de cadeia.

O pedido de investigação criminal de José Germano foi encaminhado a Brasília pelo procurador da República gaúcho Alexandre Schneider. “Agora, é processo criminal”, diz Schneider. Para sustentar o pedido, o procurador Roberto Gurgel diz que há indícios da prática de delitos pelo deputado, com base na ação penal que tramita na 3ª Vara Federal de Santa Maria (RS), com 44 réus da chamada “máfia do Detran”. Gurgel lembra que as investigações no Estado apontaram a participação de José Germano na fraude do Detran.

O dinheiro desviado do órgão foi destinado ao pagamento de propinas a agentes públicos, indica o MP. “O esquema de corrupção teve continuidade no governo da Yeda e todas as investigações corroboram a tese de que o deputado era um dos fortes articuladores da fraude”, diz o líder da oposição na Assembleia, o deputado Elvino Bohn Gass (PT).

Os documentos, segundo o MP, provam que as fraudes foram possíveis graças à formação de uma “quadrilha criminosa”, que lesou os cofres públicos gaúchos por cinco anos. No período em que o esquema mais desviou dinheiro, José Germano era secretário de Segurança Pública do Estado, no governo de Germano Rigotto (PMDB)…” 

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

EM TEMPO: em REPORTAGEM de Elder Ogliari, na versão online d’O Estado de São Paulo, o advogado de José Otávio Germano, José Antônio Paganella Boschi, qualificou a matéria como “inverídica e irresponsável” e anunciou que vai processar a revista.

SUGESTÃO ADICIONAL – confira aqui, se desejar, também outras reportagens e artigos publicados na edição que está nas bancas, da revista IstoÉ.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo