Judiciário

REFLEXÃO. Ricardo Jobim e a impossível busca de lógica nas decisões do Judiciário

 “…No entanto, se formos examinar do ponto de vista da advocacia e da sociedade, estamos diante de um quadro da mais absoluta insegurança jurídica.

Em outras palavras: se um advogado aconselha o cliente a entrar com a ação, baseando-se em julgamentos anteriores (jurisprudência), o mesmo não tem como garantir o êxito ou alguma segurança.

A grande verdade é que hoje não existe mais garantia de nada. Ou seja, a população não tem certeza do que é legal, ou se deve arriscar no Judiciário, submetendo muitas vezes o seu sucesso ao computador do Tribunal que vai sortear qual câmara vai julgar, se é a favor ou contra a tese. Anos de estudo, pesquisa e aprendizado resumidos a um sorteio…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do texto “Coisas ilógicas do Judiciário”, de Ricardo Jobim, colaborador habitual deste sítio. Ele foi publicado há instantes, e você pode encontrá-lo na seção “Artigos”. Jobim é presidente da subsecção de Santa Maria da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo