EducaçãoMundo

EDUCAÇÃO. Jorge Cunha, de Stuttgart, Alemanha. De alguma forma, de algum lugar

“…A opinião pública alemã continua ocupada com a tragédia que deixou 21 mortos e mais de 500 feridos, na última Love Parade de Duisburg, em 24 de julho passado. O desastre é considerado uma falha imperdoável da organização e irresponsabilidade dos políticos locais. Além disso, as sistemáticas denúncias sobre abusos sexuais por parte de membros do clero católico continuam ocupando as páginas dos principais jornais e revistas. Há, por aqui, também um vivo interesse quanto a inoperância e ineficácia das medidas necessárias à reconstrução do Haiti e pacificação do Afeganistão.

O que me chama a atenção de forma especial é o sentimento de desapontamento, generalizado entre os alemães, quanto às reformas colocadas em curso nos últimos anos no sistema educacional. A universalização da educação básica através da obrigatoriedade da frequência difundiu-se nos territórios da Prússia a partir de 1717 e efetivou-se no transcorrer do século 19 quando lenta e sistematicamente, foi suprimido o trabalho infantil em toda a Alemanha. O sistema educacional ganhou forma e…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo “Irgendwie, Irgendwo. De alguma forma, de algum lugar”, de Jorge Luiz da Cunha, colaborador semanal deste sítio. Cunha é Professor Titular da UFSM. Doutor em História Medieval e Moderna pela Universidade de Hamburgo, na Alemanha. Um cidadão de Santa Maria desde 1996.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo