ColunaObservatório

COLUNA OBSERVATÓRIO. E houve aquele dia em que o juiz intimou o Padre Caetano

Isso é história!

1915, 19 de janeiro – Por sentença do juiz distrital, dr. Walter Jobim, o vigário da paróquia, padre Caetano Pagliuca, é intimado a entregar as chaves da igreja do Rosário à Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, constituída por pretos, que reclama a administração dos bens da corporação, contra a autoridade do bispo diocesano.

A questão era a seguinte: a Irmandade geria seus negóicos e administrava a igreja do Rosário: o bispo D. Miguel chamou a si a administração, através do vigário padre Caetano, que reteve as chaves da igreja; a Irmandade recorreu ao judiciário, que lhe deu ganho de causa, como acima é dito. O padre Caetano não se conforma com a sentença, recorre ao juiz da comarca, dr. Alberto Chaves, e acaba vencendo a questão, em última instância, porque é reconhecido “o direito do bispo à administração dos bens das Irmandades”. Recentemente, casos análogos ocorreram no Rio, Porto Alegrte e em outras localidades brasileiras, conforme notícias da imprensa.”

 (Do volume 1 – 1877-1930 do livro “Cronologia Histórica de Santa Maria…”, de Romeu Beltrão, editado em 1958)

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo