Claudemir PereiraJornalismo

ESQUINA DEMOCRÁTICA. 27 de janeiro. O que dizer?

Garantidas as regras do sítio, de civilidade (a crítica pode ser forte ou não, mas sem ser ofensiva, por favor), você é que decide o assunto, afinal de contas. Ah, e o que está no título é somente uma sugestão. Nada mais.

AQUI NÃO TEM NOTA ALGUMA, SÓ O TEU COMENTÁRIO. APROVEITE!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. O que dizer. Dizer que Santa Maria não quer Paz, que Santa Maria não quer justiça. E quando digo Santa Maria falo de todas as autoridades políticas, empresariais e formadores de opinião que dizem representar esta cidade pelo voto popular ou por suas influência como classista. Em momento algum desde o dia 27 de janeiro de 2013 vi qualquer líder político ou comunitário contestando e levantando a bandeira de justiça perante esta tragédia que poderia ter sido tranquilamente evitada se não fosse a falta de respeito com o coletivo e p total despreparo das autoridades para lidar com emergências destas grandeza.
    O prefeito recém eleito nem preciso falar que ele nada fez, mas e os seus ferozes oponentes no pleito disputado poucos meses antes, onde estavam? Não eram eles a favor de uma nova administração, de mais proximidade com a população, de dizerem que sabiam exatamente o que o povo queria?
    E os líderes de entidades quais apenas souberam cuidar dos seus interesses cancelando a FEISMA e outros eventos ( o que acho certo), mas onde está o seu posicionamento, a sua solidariedade.
    Famílias foram decepadas, naturalmente as lideranças desta cidade deveriam se manifestar e levar adiante no mínimo um desejo mudança. Houve distância. Houve silêncio. Um ano sem respostas. Um ano de lideranças acobertando lideranças.
    A Câmara de vereadores falhou enormemente, sentiu-se até ofendida quando foi “invadida” populares. Eu estive lá e vi mães sem condições físicas dormindo no chão mas com o coração cheio de esperança. As respostas foras ridículas.
    E quando digo Santa Maria, falo de mim e todos os outros habitantes desta cidade que também ficaram comovidos com esta tragédia mas com o tempo preferiram esquecer. E ainda pedem para que os parentes e vítimas esqueçam. Como esquecer? Hoje faz um ano e as feridas continuam abertas com a mesma intensidade. Sangram do mesmo jeito. Os culpados livres, mesmo acusados, livres. Outros também culpados nem sequer estão sendo levados em consideração. Não precisa ser ‘expert’ em leis para saber quem tem culpa ou não neste trágico episódio. E as 243 vítimas, ninguém lembra delas? Hoje é um dia de vergonha para Santa Maria, uma cidade acéfala na sua administração municipal e em todas as suas entidades representativas. Lamentavelmente morro de pena de todos os pais, parentes e amigos das vítimas, porque faz um ano que Santa Maria é só vergonha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo