AssembleiaEstadoSanta MariaTragédia

KISS. Mudanças na lei foram sancionadas. Confira as alterações feitas e saberá por que ela ficou muito pior

Tarso sancionou as mudanças. Que, pode estar certo, vieram para piorar a Lei Kiss. Ponto
Tarso sancionou as mudanças. Que, pode estar certo, vieram para piorar a Lei Kiss. Ponto

A “nova” Lei Kiss autoriza os municípios concederem autorizações e licenças provisórias e precárias para empreendimentos com baixo risco de incêndio e precárias sem apresentação do APPCI emitido pelo Corpo de Bombeiros.

Essa é apenas uma das modificações feitas na legislação discutida e aprovada após seis meses, no final de 2013. Era uma adequada resposta do parlamento para, no âmbito dele, entender o que aconteceu em Santa Maria na madrugada de 27 de janeiro do ano passado.

Agora, o que aconteceu? Simples: deputados e o governo se micharam para as pressões (que não foram feitas no momento oportuno, diga-se) dos prefeitos e empresários e, na prática, sentaram sobre uma bomba. É a opinião deste editor. Ponto.

Abaixo, você confere a reportagem de Jaqueline Silveira, publicada no jornal eletrônico Sul21, a propósito da sanção das mudanças, nesta quarta-feira. Lá embaixo você tem um quadro com as principais alterações. Também foi retirado do material do melhor informativo de internet do Rio Grande. A foto é de Caroline Bicocchi, do Palácio Piratini. Acompanhe:

kiss seloGovernador sanciona alterações à Lei Kiss

O governador Tarso Genro transformou, na tarde desta quarta-feira (2), em legislação, as alterações à Lei de Proteção, Prevenção e Segurança Contra Incêndio no Estado, aprovadas pela Assembleia Legislativa no dia 3 de junho. As mudanças … flexionam a Lei Kiss, aprovada no final de 2013 após o incêndio na Boate Kiss que matou 242 pessoas, a maioria jovens. Prefeituras e entidades pressionaram por modificações, argumentando que as exigências eram muito rigorosas. A nova legislação ainda precisa ser regulamentada. O governo do Estado constituiu para tratar do assunto.

A partir das alterações aprovadas pela Assembleia são permitidas autorizações e licenças provisórias sem o Alvará de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (APPCI) simplificado para as edificações com risco de incêndio baixo, como sala de escritório. Também foram definidos critérios diferenciados para estabelecimentos de grande, médio e pequeno porte. A legislação aprovada no em 2013 estabelecia o mesmo conjunto de exigências para uma pequena fábrica e para um estabelecimento que comercializa explosivos.

Também os empreendimentos com até 750 metros quadrados de área e com capacidade de risco médio de incêndio poderão, agora, obter alvará provisório somente com PPCI simplificado. O alvará provisório, no entanto, só será permitido com a assinatura de um responsável técnico, que terá de atestar se a edificação é de risco médio de incêndio. Ao mesmo tempo foram excluídas da regra as edificações com essa área, mas com potencial explosivo, como postos de combustíveis, hangares e oficinas mecânicas. Nesse caso, será preciso o PPCI completo…”

Kiss mudançasPARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Gente as tragedia sempre vão acontecer infelizmente, do jeito que estava a lei os municipios, iriam a banca rota, pois quando essa lei, foi elaborada só compareceu la os representantes das fabricas de equipamentos de prevenção, e do jeito que estava nem nossos barbeiros poderiam cortar nossos cabelos, por tanto acho que foi restabelecida a justiça, parabens.

  2. Interessante Claudemir, é que o alvará provisório ou precário (!) não tem prazo de validade, ou seja, a empresa poderá ficar eternamente sem fiscalização!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo