ColunaObservatório

OBSERVATÓRIO. Sim, já tivemos pena de morte

Isso é história!

5 de fevereiro de 1839 – Por decreto desta data, o governo republicano estabelece pena de morte para os militares imperiais que, anistiados ou soltos, retomem armas contra a República Rio-Grandense.

‘Cumpriu o Decreto … à risca, segundo se sabe, unicamente Agostinho de Melo, arcabuzando três “bombeiros traidores”, em Missões, e José Alves Valença, os que o abandonaram em face do inimigo, no distrito de Cruz Alta, fato muito censurado e de que muito se arrependeu o grande republicano’

1º de abril de 1839 – Os representantes de Santa Maria e dos demais distritos de Cachoeira, juntamente com a sua Câmara Municipal, prestam solene juramento à República Rio-Grandense”

Abril (data indeterminada) – Desaparece da povoação, de maneira inexplicável, o prof. João da Maia Braga. Em 15.11.1861, era solicitador no foro de Porto Alegre um baiano de igual nome. É bem possível que seja a mesma pessoa. Deixou o Prof. Braga seu nome numa das ruas centrais da cidade.”

(Da terceira edição do livro “Cronologia Histórica de Santa Maria e do extinto município de São Martinho”, de Romeu Beltrão)

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Ainda temos pena de morte. Em caso de guerra. Fuzilamento. É só olhar o Código Penal Militar e a Constituição.
    E a FEB teve dois casos. Homicídio e estupro. Dois gaúchos se lembro bem. Comutaram a pena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo