ColunaObservatório

OBSERVATÓRIO. O fim da revolução dos Farrapos

Isso é história!

9 de setembro de 1844 – Alves Valença faz parte do grupo de 10 oficiais que acompanharam Bento Gonçalves à conferência que este manteve com Caxias. Prova a confiança que nele depositava o chefe da Revolução Farroupilha e que Valença pertencia ao grupo de farrapos que não recebeu de boa vontade a Paz de Ponche Verde, como foi concertada pela facção liderada por Canabarro, donde a derradeira tentativa de acerto com Caxias.

25 de fevereiro de 1845 – No acampamento de Carolina, em Ponche Verde, é lavrada e assinada pelos oficiais farrapos presentes no acampamento a ata de aceitação das condições de paz. O nome de Valença não aparece na lista de assinaturas. Estaria ausente do acampamento? Ou esquivou-se de assinar, por pertencer à facção de Vasconcelos Jardim e Bento Gonçalves, que não desejavam a paz nas condições assentadas? Inclino-me pela segunda hipótese.

28 de fevereiro de 1845 – Canabarro anuncia a paz, no acampamento de Ponche Verde, pondo fim à Revolução Farroupilha.”

(Da terceira edição do livro “Cronologia Histórica de Santa Maria e do extinto município de São Martinho”, de Romeu Beltrão)

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo