POLÍTICA. Votação da Reforma, na Câmara, fica só para a semana que vem. E o que não falta é polêmica

POLÍTICA. Votação da Reforma, na Câmara, fica só para a semana que vem. E o que não falta é polêmica - câmara-dos-deputados-reforma

Com o Supercunha fora, votações mesmo só de acordos e tratados internacionais. E deu

Um punhado de deputados está viajando, a começar pelo próprio presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, o “Supercunha” – que está a caminho de Israel. Isso sem falar no feriado de Corpus Christi, na quinta, que “tomaria” um dia de votação.

Independente disso, porém, há polêmica para todo gosto, no que já foi votado semana passada e depende de um segundo turno – como são os casos do financiamento das campanhas e até do tamanho do mandato dos prefeitos, governadores e Presidente, na hipótese de ser mantida decisão que acabou com a possibilidade de reeleição.

Resumindo: melhor esperar mesmo para a próxima semana, dando tempo a articulações. Para saber mais sobre isso, vale conferir o material produzido e distribuído pela Agência Brasil. A reportagem é de Iolando Lourenço, com foto de Wilson Dias. A seguir:

Câmara transfere para semana que vem votações polêmicas por causa de feriado

Com o feriado de Corpus Christi na quinta-feira (4), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), adiou para a semana que vem as votações de matérias consideradas mais polêmicas como é o caso do projeto de lei que altera as regras da desoneração da folha de pagamentos e de alguns pontos da reforma politica. Para esta semana estão previstas votações de acordos e tratados internacionais firmados pelo Brasil com outros países.

Cunha informou que pretende votar inúmeros projetos de decreto legislativo que tratam de acordos e tratados, parados na Câmara há muito tempo. Ao todo devem ser votados 20 acordos internacionais e um projeto de lei que cria o Prêmio Lúcio Costa de Mobilidade, Saneamento e Habitação na área de desenvolvimento urbano.

O acerto entre o presidente da Câmara e os líderes partidários para essas votações consensuais ocorreu em função do feriado de quinta-feira e de uma comitiva de deputados que estão viajando à Rússia e Israel…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *