CIDADE. Aulas na UFSM ainda nem iniciaram, mas Saturnino está ocupada e os moradores já reclamam

CIDADE. Aulas na UFSM ainda nem iniciaram, mas Saturnino está ocupada e os moradores já reclamam - saturnino

Autoridades prometem fiscalizar. Problema tende a aumentar com a volta às aulas na UFSM

A noite desta terça-feira foi (é?) de movimentação intensa na Praça Saturnino de Brito, numa espécie de antecipação do que virá na próxima semana, quando reiniciarem as aulas (e com muitos cursos tendo calouros chegando) na Universidade Federal.

Justamente no dia em que a Prefeitura, via Gabinete de Gestão Integrada, criou um GRUPO_DE_TRABALHO  para tratar da segurança no centro da cidade, incluindo a praça, já há reclamações dos moradores do entorno, retratadas (inclusive com vídeo) em reportagem assinada por Fabrício Minussi e publicada na versão online do jornal A Razão. A foto é de Deivid Dutra. Acompanhe:

Reaberta temporada de ocupação da Saturnino de Brito

Os moradores e comerciantes do entorno da Praça Saturnino de Brito, no Centro de Santa Maria, voltam a conviver com um antigo problema que é registrado a cada início de semestre letivo nas universidades da cidade: a perturbação do sossego público. Na noite desta terça-feira, pelo menos duas centenas de universitários de instituições que já reiniciaram as aulas, ocupavam as calçadas do entorno e a Rua Duque de Caxias.

Pelo menos um veículo com equipamento de som potente garantia a “trilha sonora” do encontro de jovens, muitos menores, regado a cerveja. O barulho podia ser escutado desde a Rua dos Andradas, esquina com a Rua Conde de Porto Alegre. A perturbação do sossego foi registrada em vídeo pela reportagem de A Razão.

O detalhe é que a aglomeração da noite de terça-feira, e que se estendeu até após a meia-noite, tende a aumentar nos próximos dias. Foi um “esquenta” do que está por vir com a proximidade da volta às aulas na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no próximo dia 10 de agosto. A falta de um lugar adequado para as comemorações é o motivo para a ocupação do espaço público e vias ao redor da praça, cercada por condomínios, casas e estabelecimentos comerciais.

O logradouro, que já foi chamado de Praça do Julinho e Praça da Corsan, há um bom tempo foi batizado de “Praça do Brahma”: uma alusão ao bar que garante o “combustível” para as festas que ocorrem no local.

O estabelecimento, que segundo a Prefeitura estaria regular, já foi alvo de fiscalização, batida policial e notificações por parte da Prefeitura. Nas próximas semanas, a boate que funcionava na esquina das ruas Dr. Bozano e Duque de Caxias será reaberta. O que tende a aumentar o fluxo de jovens no local durante a madrugada e a dor de cabeça de quem reside e trabalha nas proximidades…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

PARA LER OUTRAS REPORTAGENS DE ‘A RAZÃO’, CLIQUE AQUI.

PARA VER O VÍDEO, ACESSE AQUI: https://youtu.be/02c0D0R_iHs



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *