Eleições 2016Judiciário

ELEIÇÕES 2016. Mais de 39 milhões de brasileiros já serão identificados pela biometria, no dia 2 de outubro

biometriaEm Santa Maria, embora não fosse obrigatório, há muitos eleitores já devidamente cadastrados para o voto biométrico. Que, porém, ainda não é total na maior parte do País. No entanto, que se diga: o processo avança, como mostra material produzido pela Assessoria de Comunicação do Tribunal Superior Eleitoral. A seguir:

Mais de 39 milhões de eleitores estão aptos a serem identificados pela biometria nas Eleições municipais de outubro. Esse universo atinge exatamente 39.386.638 eleitores em 2.380 municípios do país. Do total de 5.568 municípios que terão eleições em outubro, 3.188 cidades terão votação sem biometria, 1.540 terão identificação totalmente biométrica e 840 farão a chamada eleição híbrida.

A eleição híbrida ocorre nas cidades nas quais o cadastramento biométrico ainda não é obrigatório. A verificação das impressões digitais no dia da eleição ocorrerá apenas para eleitores que já possuem dados coletados, enquanto que, para os demais, a identificação será feita da forma usual.

Todo o sistema biométrico é preparado para reconhecer, verificar ou identificar uma pessoa que foi previamente cadastrada. Para o reconhecimento individual, são coletados dados biométricos por meio de sensores que os colocam em formato digital. Quanto melhor a qualidade do sensor, melhor será o reconhecimento alcançado. No caso do cadastramento feito pela Justiça Eleitoral, os dados são coletados por um scanner de alta definição.

Até o momento, segundo dados de agosto, 48.264.153 eleitores já estão cadastrados biometricamente em todo o país. Deste total, 46.305.957 são dos 5.568 municípios onde haverá eleição este ano. Os outros 1.958.196 não participarão do pleito de 2016, uma vez que são eleitores do Distrito Federal e de Fernando de Noronha e os que votam no exterior.

Biometria na Justiça Eleitoral

A biometria é uma tecnologia que confere ainda mais segurança à identificação do eleitor no momento da votação, tornando praticamente inviável a tentativa de fraudar a identificação do votante. O leitor biométrico confirma a identidade de cada pessoa por meio de impressões digitais únicas, armazenadas em um banco de dados da Justiça Eleitoral.

O Programa de Identificação Biométrica do Eleitor foi lançado com sucesso em três cidades de três estados diferentes, com foco nas eleições municipais de 2008. Naquele pleito, os pouco mais de 40 mil eleitores de Colorado do Oeste (RO), Fátima do Sul (MS) e São João Batista (SC) foram identificados biometricamente…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Biometria é o mesmo que gastar muito dinheiro com acessórios para nada, um mero documento de identidade resolve a questão. Se nao tem identidade não vota.

    O importante e necessário mesmo é aumentar (checar) a confiabilidade das urnas e do processo de contagem de votos.

    Precisamos de uma segunda urna para depositarmos o voto em papel impresso gerado pela urna eletrônica. Quero ver o meu voto impresso e colocá-lo nessa segunda urna.

    O juiz escolheria urnas aleatórias da cidade, as urnas que foram depositados os votos em papel, para conferir se bate os votos da urna eletrônica com as do papel na mesma secção. Amostragem aleatória basta (algo como 1 ou 2% das urnas já seria muito bom). Se uma urna não bate, anula-se toda a eleição naquela cidade.

    E quero consultoria internacional para checar se os dados locais chegam corretos em Brasília e são somados sem fraude. Por quê? Hackers podem modificar os valores dos votos pela internet.

    Qual é o problema de aumentar a credibilidade do processo? Continuam negando isso, por quê? Só porque é eletrônica a credibilidade é garantida? De jeito nenhum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo