EconomiaJudiciário

DIREITO AUTORAL. Luciana Manica, a eterna bronca em torno do Ecad e, sim, uma novidade que vem por aí

“…Voltando às alterações legais, para Luiz Fux, Ministro relator do embate, a nova lei aumenta a participação do Estado no setor dos direitos autorais e tem como diretrizes o combate a fraudes, de modo a introduzir regras de ampla transparência e uma “política indutora de preços competitivos para o licenciamento de direitos autorais”. Resumo, o que antes era arrecadado pelo ECAD e associações (valores a título de execução musical pública), a nova legislação concede esse poderio de fiscalização a um órgão estatal, no caso, o Ministério da Cultura.

Ainda, há previsão de redução gradativa da taxa administrativa cobrada pelo Ecad, de 25% para 15% em quatro anos, permitindo que autores e…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo “Não fui eu quem disse…”, de Luciana Manica Gössling. Ela é advogada, Mestre em Direito e especialista em Propriedade Intelectual. O texto foi postado há instantes, na seção “Artigos”!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Há controvérsias.
    Primeiro a política. De um lado um diplomata de carreira que saiu atirando. Inclusive dizem que ele ficou com medo de cair numa interceptação telefônica. Do outro lado um político, famoso desde a época dos anões do orçamento. Não é difícil imaginar que tentariam desacreditar o ex-ministro.
    O artigo. As duas Adins (5062 e 5065) foram ajuizadas pelo ECAD e associações diversas de músicos. A lei atacada preve que a fiscalização do escritório seja feita pelo ministério da Cultura. O “esperneio” é basicamente a intervenção estatal em ente privado. A defesa da constitucionalidade foi feita pela AGU. Ou seja, mesmo sem muitos instrumentos de atuação o ex-ministro trabalhou para diminuir os próprios poderes. Como diria o Papaéu do Eron Dalmolin: acho brabo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo