CRISE INSTITUCIONAL. Senado não tira Renan da Presidência. Supremo decide o caso dele nesta quarta

CRISE INSTITUCIONAL. Senado não tira Renan da Presidência. Supremo decide o caso dele nesta quarta

CRISE INSTITUCIONAL. Senado não tira Renan da Presidência. Supremo decide o caso dele nesta quarta - renan-2

Presidente do Senado, afastado por ministro do STF foi respaldado por toda a Mesa Diretora. Talvez saia uma decisão nesta quarta-feira

Por RENAN RAMALHO, do G1, o portal de notícias da Globo, com foto de JANE DE ARAÚJO (Agência Senado)

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, incluiu nesta terça-feira (6) na pauta de julgamentos do plenário da Corte desta quarta (7) o referendo da liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello que determinou o afastamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do comando da Casa. O julgamento é o primeiro item da pauta do STF.

Nesta terça, Cármen Lúcia recebeu o vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC), em seu gabinete junto com outros ministros para buscar uma saída pacífica para resolver a crise instalada entre o Senado e o Supremo.

Segundo auxiliares da ministra, ela falou com ao menos outros seis magistrados da Corte. Além de Marco Aurélio, que a comunicou por telefone sobre a intenção de submeter nesta quarta a decisão de afastar Renan da presidência do Senado, conversou também com Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Teori Zavascki, Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

Vários deles participaram, em momentos diferentes, da conversa com Jorge Viana no gabinete da presidência do STF. “Ela está muito preocupada e está fazendo esforço descomunal para acalmar os ânimos, dizendo que o Brasil está vivendo um momento muito complicado”, disse uma das pessoas que esteve na reunião.

Apesar da preocupação, a ministra não expressou reação e recebeu com “enorme tranquilidade” a notícia de que a Mesa Diretora do Senado resolvera não acatar a decisão de Marco Aurélio em afastar Renan Calheiros (SAIBA MAIS SOBRE ISSO, CLICANDO AQUI). O peemedebista se recusou a assinar a notificação, respaldado pela cúpula do Senado.

Na própria reunião, ficou claro que o STF não deverá tomar nenhuma medida até a tarde desta quarta contra o Senado ou o próprio Renan. Na sessão, que começa às 14h, a liminar de Marco Aurélio será o primeiro item da pauta. “O espírito é pacificador”, disse um dos auxiliares de Cármen.

Com Gilmar Mendes, Cármen falou por telefone, já que ele está em viagem à Europa e não deve participar do julgamento nesta quarta. Apesar de ter participado das conversas, Barroso também não decide no caso, pois se declarou impedido – ele foi sócio de um dos advogados da Rede, que pediu o afastamento de Renan da presidência do Senado.

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.



1 comentário

  1. O Brando

    As grandes batalhas burocráticas de Brasília, onde os egos gigantescos se enfrentam. Grandes gestos simbólicos que tentam influenciar o imaginário da população, passar a idéia de que algo muito importante está acontecendo.
    Importante? Ano que vem o PIB só deve crescer 0,5% e mais de meio milhão de brasileiros devem perder o emprego. Alguém vai dizer “o cara disse que a bolsa iria cair e o dólar iria subir e não aconteceu nenhuma coisa nem outra”. Óbvio que existe motivo. Governo atuou no câmbio de novo. JBS conseguiu licença para emitir papéis na bolsa de Nova Iorque, papéis do frigorífico subiram quase 20%. A notícia é boa não por causa de prováveis investimentos, mas porque a empresa deve os tubos para o BNDES e fica mais provável o pagamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *