CRISE POLÍTICA. Nem chuva atrapalhou protesto de santa-marienses que pedem a saída de Michel Temer

CRISE POLÍTICA. Nem chuva atrapalhou protesto de santa-marienses que pedem a saída de Michel Temer - maiquel-temer-1

Santa-marienses protestaram contra o presidente Michel Temer (PMDB), no final da tarde desta quinta-feira. Nem a chuva atrapalhou

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Divulgação/Sedufsm), da Equipe do Site

Milhares de santa-marienses realizaram um protesto no final da tarde dessa quarta-feira (18), em Santa Maria, contra o presidente da República, Michel Temer (PMDB). O objetivo era somar forças com outros atos que ocorreram pelo país.

A atividade foi organizada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Combativa em Defesa do Serviço Público, reunindo partidos de esquerda, servidores públicos, educadores, estudantes, entre outras pessoas que reivindicam a renúncia de Temer.

O protesto concentrou-se nas ruas centrais da cidade, paralisando o trânsito em alguns momentos. Nem a fraca chuva fez os manifestantes desistirem da passeata.

Assim como ocorreu na greve geral de 28 de abril, havia várias faixas com palavras de ordem, bandeiras de centrais sindicais e partidos políticos, além de carro de som. A novidade foi a grande quantidade de cartazes com os dizeres “Diretas Já”.

“O protesto de hoje é o reflexo da reação popular, que somente tomando as ruas, conseguirá derrotar e derrubar o governo golpista, congresso corrupto e judiciário corroído, exigindo Diretas Já. A vigília permanece, vamos organizar o nosso calendário, atividades, pois a conjuntura está muito dinâmica”, relata o dirigente da CUT Regional Centro, Eloiz Guimarães Cristino.



6 comentários

  1. Jorge

    Os vermelhinhos esquisitos em ação. A sociedade foge deles, não se mistura com gente esquisita sem coerência.

    Estão sem a mínima credibilidade para liderarem essa marcha. Credibilidade se ganha com coerência.

  2. O Brando

    Repitindo, a quem defende diretas já: é favor não doar o cérebro para a ciência. Fazer uma eleição deste tipo sem saber como será financiada, podendo reeleger um monte de gente implicada na Lava a Jato (que se dirá “anistiada” pelas urnas) é sinal de muita falta de noção. Sem falar que é um casuísmo, do que adianta ter uma regra constitucional se na hora de aplicá-la tira-se um coelho da cartola?
    Alguns defendem soluções fáceis para problemas complexos, prometem soluções rápidas. A crise política deve se arrastar mais uns 10 anos. A crise econômica, se nada for feito, vai se aprofundar. A recuperação que esperava-se ser lenta (uns 15 anos) vai ser adiada. Mais desemprego, mais desespero no SUS, maior exôdo de mão de obra qualificada, etc. Independente de quem estiver no poder.

  3. O Brando

    Coisas que vem a cabeça. Flagrante esperado. Livro do Fernando Morais: Os últimos soldados da guerra fria. E, óbvio, CUT é o braço sindical do PT. Querem voltar ao poder, duela a quem duela (como diz o outro), para fazer mais do mesmo. Acabar com a Lava a Jato, controlar a imprensa (o tal “controle social”) e reescrever a história. A melhor saída ainda é o aeroporto.

  4. Jorge

    Esse país não tem futuro. É evidente. Não é só colocar essa turma toda na cadeia que vai ser ato suficiente para trazer sangue novo nos partidos, imune a uma politicalha de conchavos com o fim de se perpetuar no poder em benefício próprio ou da “cumpanheirada” partidária.

    Não adiantará em nada a reforma política, por melhor que ela seja. O parlamentarismo só tem uma vantagem em relação ao atual: assim que um primeiro ministro perde confiança da sociedade, logo escolhem outro. Não ficamos meses e meses com tudo parado esperando uma decisão legislativa para “exonerar” quem já deveria ter saído do poder meses antes. Então o parlamentarismo também não resolve.

  5. Jorge

    Some-se a isso: os partidos são vendedores de ideologia, não conhecimento. Onde há ideologia, há gente esquisita. Gente que não estuda para saber como a realidade funciona. Só com conhecimento aplicado na prática para daí sim melhorar com soluções factíveis. Partidos hoje são um amontoado de “dom quixotes” ignorantes da realidade e sem capacitação. O Tiririca nem ler, sabe. Mas está lá, mais de milhão de votos. Isso não é democracia, isso é uma política esquiza dando poder da mediocridade ser representada, repercutindo negativamente na vida de milhões. Mundos complexos exigem conhecimento elevadíssimo de muitos assuntos, mas quem se importa? O que importa na classe política é a ideologia. E o país não anda. Ideologia é um mundo fora da realidade, independente de qual seja. Mas uns são mais esquisitinhos que outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *