SAÚDE. 15 anos após o anúncio, relembre a novela (acabou?) que girou em torno da abertura do Regional

SAÚDE. 15 anos após o anúncio, relembre a novela (acabou?) que girou em torno da abertura do Regional

SAÚDE. 15 anos após o anúncio, relembre a novela (acabou?) que girou em torno da abertura do Regional - maiquel-regional

Ambulatório do Hospital Regional será inaugurado nesta sexta-feira, às 9 e meia. Mas, antes, um punhado de marchas e contramarchas

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Luiz Chaves/Palácio Piratini), da Equipe do Site

Quando o governador do Estado, José Ivo Sartori (PMDB), inaugurar o ambulatório do Hospital Regional de Santa Maria, nesta sexta-feira (6), às 9h30min, será escrito mais um capítulo da longa novela que cerca a unidade. Anunciado há 15 anos, a obra passou por inúmeros perrengues e interferências políticas que obstruíram sua abertura no passado.

As primeiras intenções de abrir o Regional partiram do governo do Estado, em 2003, durante a gestão de Germano Rigotto (PMDB), sendo que o local indicado para a obra seria próximo ao Distrito Industrial. Porém, ocorreu uma movimentação contrária ao lugar escolhido para receber o empreendimento e um longo impasse se instalou.

Apenas em 2010, no governo Yeda Crusius (PSDB), a obra teve início, no Parque Pinheiro Machado, com previsão de conclusão para o final de 2011. Na gestão seguinte, de Tarso Genro (PT), a obra se arrastou durante os quatro anos. A morosidade foi deixada de lado apenas no apagar das luzes do governo petista, momento em que foi firmado o convênio com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) para a gestão da unidade.

Entretanto, a parceria não agradou o então prefeito de Santa Maria, Cezar Schirmer (PMDB), que convenceu outros prefeitos peemedebistas da região e também o governo do Estado, já sob o comando de Sartori, a reverem a decisão tomada por Tarso (AQUI).

O Estado acabou recuando e o impasse frente ao gestor se tornou um calvário. Por consequência, nos bastidores, Schirmer acabou tachado por impedir a abertura do Hospital Regional via Ebserh. Ano passado, em entrevista exclusiva a este site, o peemedebista esclareceu que a Ebserh não era uma boa opção (AQUI).

A obra foi concluída apenas em junho de 2016. Em outubro daquele ano, mais uma vez o Regional esteve em meio a uma disputa política.

Poucos dias antes do segundo turno das eleições municipais, o secretário de Saúde do Estado, João Gabbardo anunciava, na presença do então candidato a prefeito de Santa Maria, Jorge Pozzobom (PSDB), que a unidade seria aberta no primeiro semestre de 2017 com gestão dos hospitais Sírio-Libanês, Mãe de Deus e Moinhos de Vento. A assessoria do tucano, obviamente, fez uso do ‘fato novo’ (AQUI).

As eleições passaram e a promessa de abertura não se concretizou. Apenas em janeiro de 2018 a Fundação Universitária de Cardiologia foi anunciada como gestora da unidade (AQUI). O ambulatório que será inaugurado nesta sexta ofertará inicialmente serviços de atendimento a pacientes de alto risco, como diabetes e doentes crônicos.

A previsão é atender cerca de cinco mil pessoas no primeiro ano. O acesso será feito a partir de cadastros e atendimentos nas Unidades Básicas de Saúde. A unidade contará com especialistas em cardiologia, endocrinologia, angiologia, nefrologia e oftalmologia.

Já a equipe multiprofissional será formada por enfermeiros, nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas, farmacêuticos, profissionais de educação física e técnicos de apoio operacional.

Abaixo confira em detalhes cada passo, do anúncio à abertura:

Hospital Regional, uma novela de 15 anos

2003

– Governo do Estado anuncia a intenção de construir o hospital. Obra deveria ocorrer em um terreno de 27 hectares, ao lado do Distrito Industrial em área pertencente ao Estado.

2004

– Empresários locais divergem quanto ao local da obra.

2005

– Projeto do hospital é concluído;

– Cacism se posiciona contra o local da obra e apresenta como alternativa um terreno de 4,5 hectares localizado perto da Faixa Nova de Camobi, próximo do Park Hotel Morotin e da sede campestre da Sociedade de Medicina, que seria doado pelo professor e ex-Reitor da UFSM, Tabajara Gaúcho da Costa;

– Início da obra é suspenso pela 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. O colegiado entende que o local é inadequado para instalação de uma unidade de saúde, em virtude do risco existente de poluição das empresas e de contaminação pela proximidade de um lixão urbano.

2006

– Em reunião com o prefeito Valdeci Oliveira (PT), cinco áreas em diferentes pontos de Santa Maria são ofertadas ao secretário Osmar Terra (PMDB) para a construção;

– Até então, a ideia era construir junto ao Regional um Hospital Sarah, especializado em reabilitação física, atendendo a um convênio do Estado com o grupo Sarah, de Brasília.

2007

– O médico veterinário e professor, José Antônio Barão Schons, doa o terreno no Parque Pinheiro Machado, na Rua Florianópolis, para a construção do Hospital Regional.

2008

– R$ 19 milhões são empenhados, pelo Ministério da Saúde, para a construção do Hospital.

2009

– A governadora Yeda Crusius (PSDB), o secretário da Saúde, Osmar Terra (PMDB), e o prefeito de Santa Maria, Cezar Schirmer (PMDB), assinam, em 21 de agosto, em Santa Maria, termo de licitação para construção de uma Unidade Física de Reabilitação Estadual vinculada ao Hospital de Referência Sarah Kubitschek, de Brasília;

– Uma das empresas interessadas em participar da licitação entra com recurso e o Estado suspende o edital para escolher a empreiteira responsável pela construção.

2010

– A governadora Yeda Crusius (PSDB) e o secretário de Estado das Obras Públicas, José Carlos Breda, assinam a ordem de serviço para o início das obras no dia 16 de março;

– A empreiteira Portonovo inicia a construção em 23 de março;

– Construído com recursos do Estado e da União que chegam a R$ 36,3 milhões, o prédio terá área total de cerca de 20 mil metros quadrados, divididos em quatro blocos, cada um com dois pavimentos e subsolo. O prazo para a execução da obra é de 540 dias.

2011

– Portonovo reclama de atraso nos repasses de verbas federais para a obra do Hospital, o que gerou uma dívida de R$ 3 milhões. A empreiteira seguiu a construção graças a empréstimos;

– Em dezembro, data em que o hospital estaria concluído, de acordo com a previsão inicial, mudanças no projeto e necessidade de drenagem do terreno adiam o plano.

2012

– Obra segue, mas inaugurações previstas para fevereiro e agosto não se confirmam.

2013

– Havia a previsão de a obra ser finalizada em março, o que não se confirmou;

– Ao final do ano, obras estão 75% concluídas.

2014

– Obra deveria ter sido concluída em fevereiro, porém mais uma vez não se confirma;

– Em maio, o governo Tarso Genro (PT) propôs à Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) que a entidade se responsabilize pela gestão do Hospital Regional;

– Em 30 de setembro, Hospital Regional foi apresentado à comunidade. A obra estava em fase de conclusão e o evento serviu para anunciar a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) como responsável pela gestão da nova instituição;

– Novo prazo de entrega, em dezembro, não se confirma. No mesmo mês, Ebserh assina convênio para gerir o Regional.

2015

– Em 10 de abril, a Comissão de Saúde e Meio Ambiente do Parlamento, presidida pelo deputado estadual Valdeci Oliveira (PT), realiza audiência pública na Câmara de Vereadores de Santa Maria para discutir a gestão do Regional;

– Em outubro, o presidente da Ebserh, Newton Lima Neto, afirma que a empresa aguarda a doação do complexo por parte do Estado para o patrimônio da União para dar andamento aos processos de contratação de pessoal para abrir o hospital;

– O governador José Ivo Sartori (PMDB) solicita R$ 5 milhões à União para concluir a obra.

2016

– Prédio é concluído no final de junho;

– Governo Sartori revê a decisão de entregar a gestão do Regional para a Ebserh. O impasse impede a abertura;

– Em agosto, na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Valdeci Oliveira (PT) cobra os 580 dias sem a gestão do Hospital Regional, enquanto que o deputado estadual Jorge Pozzobom (PSDB) afirma não abrir mão do atendimento 100% SUS;

– Em 21 de outubro, com a presença do candidato a prefeito de Santa Maria, Jorge Pozzobom (PSDB), o secretário de Saúde do Estado, João Gabbardo, anuncia que o Regional será gerido pelos hospitais Sírio-Libanês, de São Paulo, e Mãe de Deus e Moinhos de Vento, ambos de Porto Alegre. O anúncio ocorre a apenas nove dias antes da eleição, em segundo turno, para a Prefeitura de Santa Maria, que colocava frente a frente Pozzobom e Valdeci.

– Em 16 de dezembro, é anunciado que o Hospital será filantrópico e irá atender 60% SUS e 40% por convênios. No total, irá contar com 176 leitos de internação e 37 leitos de Unidade Terapia Intensiva (UTI) adultos, pediátricos e semi-intesivos. Abertura é prevista para o primeiro semestre de 2017.

2017

– Em janeiro, prefeitos da Associação dos Municípios da Região Centro (AM-Centro) buscam articular uma atendimento SUS superior a 60% no Regional;

– Em entrevista ao site, em 1º de abril, prefeito Jorge Pozzobom (PSDB) projeta que Regional seja aberto no final do ano;

– Em 10 abril, o deputado estadual Valdeci Oliveira realizou nova audiência pública na Câmara de Vereadores sobre o Hospital Regional;

– Em 31 de maio, na AM-Centro, vice-governador do Rio Grande do Sul, José Paulo Cairoli (PSD), disse que o Hospital Sírio Libanês tinha 15 dias para entregar Plano Operacional do Regional;

– Em 3 de julho, foi lançado, na Câmara de Vereadores, o Comitê Pró-Abertura do Hospital Regional 100% SUS. A Prefeitura não enviou representantes ao ato liderado por Valdeci;

– Secretário estadual adjunto da Saúde, Francisco Paz, diz, em 9 de agosto, que faltam R$ 60 milhões para abrir o hospital;

– Em 30 de novembro, deputado estadual Valdeci Oliveira torna público o Plano Operativo do Hospital Regional de Santa Maria, produzido pelo Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. O estudo custou R$ 5,9 milhões aos cofres públicos;

2018

– Governador José Ivo Sartori (PMDB) anuncia, em 17 de janeiro, que a Fundação Universitária de Cardiologia foi contratada pelo Estado para administrar o Hospital Regional;

– Em coletiva de imprensa em Santa Maria, em 19 de janeiro, o secretário estadual de Saúde, João Gabbardo dos Reis, anuncia que os 270 leitos do Hospital Regional de Santa Maria serão 100% destinados para atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS);

– Em 31 de janeiro, Prefeitura afirma que arcará com os custos de R$ 50 mil em reparos na infraestrutura do Hospital Regional;

– Em 7 de março, Gabbardo informa que o Hospital Regional abriria em maio deste ano;

– O governo do Estado e o Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul / Fundação Universitária de Cardiologia assinaram convênio, em 11 de junho, no Palácio Piratini, para a instituição assumir a gestão do Hospital Regional. É informado que o hospital 100% SUS;

– Em 19 de junho, tem início a seleção para as primeiras 50 vagas abertas na unidade;

– Em 29 de junho, é publicado no Diário Oficial da União a rescisão do termo de cooperação técnica para a gestão do Hospital Regional, assinado em dezembro de 2014 entre o Governo do Estado, a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

– Prefeito Jorge Pozzobom anuncia no Facebook, em 4 de julho, que abertura do ambulatório do Hospital Regional irá ocorrer nesta sexta-feira (6).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *