Artigos

A urgência de um projeto de reindustrialização nacional – por Daniel Arruda Coronel

O setor industrial é o motor do crescimento econômico, contudo a indústria de transformação brasileira vem perdendo participação no Produto Interno Bruto (PIB) conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2018), visto que sua participação, que chegou a perfazer 30% do PIB, na década de 1980, passou para 13,3% em 2012 e, caso continue nesse ritmo, a projeção para 2029 é de menos de 10%.

Esta forte queda acendeu um debate, ou seja, que a economia brasileira está passando por um processo de desindustrialização, o qual pode ser entendido como a redução persistente de participação do emprego industrial relativamente ao emprego total, conforme discutido por Rowthorm e Ramaswamy (1999).

Ainda nesta perspectiva, o processo de desindustrialização, segundo conceitos mais modernos, pode ser entendido como a perda de participação do setor industrial no Produto Interno Bruto (PIB) em conjunto com a redução da participação do emprego setor industrial no emprego total.

O resultado de um processo de desindustrialização é a importação de produtos com alto valor agregado e as exportações de commoddities ou de produtos com baixo valor agregado, o que aumenta ainda os déficits comerciais e piora as já frágeis finanças públicas do país.

Este processo está relacionado à sobrevalorização cambial e à abertura econômica desordenada da economia brasileira. Tal situação precisa ser revertida para o país ter taxas consistentes de crescimento econômico, e, dentre as ações necessárias para isso, estão estabilidade macroeconômica, com diminuição das taxas de juros, câmbio competitivo, reformas pró-competitividade e políticas setoriais para setores estratégicos para o desenvolvimento econômico e social, tais como os de alta intensidade tecnológica.

OBSERVAÇÃO: a imagem que ilustra este artigo é uma reprodução de internet.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo