CASO LUCI. Subcomissão não solicitou gravações e agora vive dilema diante do pedido de Adede Y Castro

CASO LUCI. Subcomissão não solicitou gravações e agora vive dilema diante do pedido de Adede Y Castro

CASO LUCI. Subcomissão não solicitou gravações e agora vive dilema diante do pedido de Adede Y Castro - maiquel-subcomissão-luci

Relator da Subcomissão de Ética, Manoel Badke, alega que foi oportunizado para ambas as partes a possibilidade de gravação das oitivas

Por MAIQUEL ROSAURO (texto e foto/Arquivo), da Equipe do Site

A Subcomissão de Ética e Decoro Parlamentar que investiga a vereadora Luci Duartes – Tia da Moto (PDT) está paralisada. Os vereadores Manoel Badke – Maneco (DEM), Valdir Oliveira (PT) e João Kaus (MDB) ficaram de mãos atadas frente ao pedido do advogado João Marcos Adede Y Castro, que solicitou cópias da transcrição das oitivas realizadas em outubro. Oito depoimentos foram colhidos, mas nada foi registrado – como este site registrou na madrugada passada, em absoluta primeira mão (AQUI).

O secretário da subcomissão, Paulo Gama, informou ao site que o Parlamento não possui equipamento para fazer a gravação do áudio desse tipo de audiência.

“Os vereadores têm que solicitar a gravação pela TV Câmara para ter registro oficial”, explica Gama.

Para Maneco, relator do caso, a ausência de registro não impediu que as dúvidas sobre a denúncia envolvendo Luci fossem sanadas.

“Oportunizamos ambas as partes de gravação, inclusive todos os questionamentos sobre o processo para mim foram esclarecidos”, afirma o democrata.

Em relação ao relatório, Maneco argumenta que irá aguardar parecer da Procuradoria Legislativa para então tomar uma decisão com os demais membros da subcomissão. Enquanto isso, o processo seguirá paralisado.

Parecer em construção

O procurador do Legislativo, Lucas Saccol Meyne, informa que iniciou a trabalhar no tema nessa segunda-feira (26). O advogado projeta que o parecer deverá ser concluído até o final de semana.

Recomeçar quase do zero

O vereador Valdir Oliveira protocolou na Câmara, nessa segunda, um documento endereçado à CCJ, no qual requer que todas as testemunhas sejam ouvidas novamente. A diferença, desta vez, é que os depoimentos seriam devidamente registrados. Valdir é responsável pela revisão do relatório da subcomissão.

Entenda o caso

A pedetista é investigada devido a uma denúncia do autônomo Alain Maciel, o qual aponta que Luci, em diversos momentos de 2017, bateu ponto na Prefeitura e, ao mesmo tempo, atuou no Parlamento. Ou seja, a acusação sustenta que Luci trabalhava de forma onipresente nos dois Poderes, o que caracterizaria um ato de improbidade administrativa. O Ministério Público também apura o caso.

Na semana passada, Adede Y Castro, advogado de Maciel, protocolou no Legislativo um pedido de cópia das transcrições das oitivas realizadas pela subcomissão, a qual ouviu Luci, Maciel e funcionários da Prefeitura e da Câmara. Porém, como nada foi gravado, os vereadores não sabem qual resposta dar ao causídico.



4 comentários

  1. Democrata Filho

    Tá, mas e como aconteceu o caso do então vereador João carlos Maciel, e outros que foram investigados..não foi nada gravado? Que equipamento que falta para gravar? É de um amadorismo sem par!

  2. FERNANDO STOCHO

    Basta ter registro das convocações, do livro de presença, a Ata da reunião e eventual matéria jornalística ou mesmo da rede social de algum meio de informação ou de algum outro membro do parlamento. De todos a Ata da reunião que possui fé pública é a imprescindível.

    • Zé Ruas

      Báh Boca. Tu abrindo esta Boca seria gravado do outro lado do prédio.
      Será que testemunhos tem ATA firmada pelo declarante e membros da comissão?
      Baita jogada do Adede, pedir o que sabe que não tem.
      Fera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *