SEGURANÇA. Delegado faz balanço positivo do ano passado: ‘mais prisões e menos homicídios’ em 2018

SEGURANÇA. Delegado faz balanço positivo do ano passado: ‘mais prisões e menos homicídios’ em 2018

Do Delegado GABRIEL ZANELLA (com foto de Reprodução), da Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Santa Maria

SEGURANÇA. Delegado faz balanço positivo do ano passado: ‘mais prisões e menos homicídios’ em 2018 - delegado-zanella

Gabriel Zanella destaca atividade em equipe, associada à inteligência policial, como fundamental para o bom trabalho realizado

Em 2018, ocorreram 53 homicídios dolosos consumados em Santa Maria. Houve redução de 17% em relação a 2017, ano que foram contabilizados 64 homicídios. Quanto às tentativas, houve redução de 10%.

A Polícia Civil atribui esta redução especialmente ao alto índice de elucidação (superior a 80%) dos homicídios, bem como ao elevado número de prisões (a quase totalidade preventivas) realizadas por meio da Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP) de Santa Maria. Em 2018, a DPHPP prendeu 59 adultos e 11 apreendeu adolescentes infratores (mais que em 2017). Em relação a 2017, 2018 apresentou 35% a menos de procedimentos policiais instaurados para investigar homicídios consumados e tentados praticados por adolescentes infratores.

Cumpre destacar que o dedicado e diuturno trabalho em equipe, associado à inteligência policial, faz com que não apenas os executores (autores imediatos, por vezes vindos de outros municípios), mas também os mandantes dos homicídios sejam indiciados pela Polícia Civil, inclusive por organização criminosa ou associação criminosa quando caracterizadas.

Por fim, o intenso e dedicado trabalho da Polícia Civil em Santa Maria na repressão ao tráfico ilícito de drogas, roubos, furtos, violência contra a mulher, dentre outros crimes tem sido muito positivo, haja vista o elevado número de prisões e apreensões de armas de fogo usadas pelos criminosos.

Vítimas dos homicídios:

– majoritariamente são homens até 35 anos;

– a maioria das vítimas e dos autores dos homicídios têm antecedentes policiais e passagens pelo sistema prisional;

– a motivação, majoritariamente, está relacionada ao tráfico ilícito de drogas (40%) e desavenças, rixas, decorrentes da prática de outros crimes (40%). Restante: outros motivos (passional, fútil).

OBSERVAÇÃO DO EDITOR: o texto, imagina o editor, foi produzido antes do homicídio da segunda-feira, último dia do ano, que elevou para 54 o número desse tipo de crime, conforme levantamento do Diário de Santa Maria (AQUI). E também não considera os três latrocínios (matar para roubar)



1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *