26ª FEICOOP. “SM não vende espaços e não cobra ingressos”, enfatiza a coordenadora, Irmã Lourdes Dill

26ª FEICOOP. “SM não vende espaços e não cobra ingressos”, enfatiza a coordenadora, Irmã Lourdes Dill

26ª FEICOOP. “SM não vende espaços e não cobra ingressos”, enfatiza a coordenadora, Irmã Lourdes Dill - maiquel-feicoop-irmã-lourdes-1

Irmã Lourdes Dill anunciou que uma campanha de arrecadação permanente de recursos para a Feicoop será lançada nesta sexta-feira

Por MAIQUEL ROSAURO (texto e fotos), da Assessoria de Imprensa do Evento

Resistência. Este é o nome do Lonão 6, da 26ª Feira Internacional do Cooperativismo (Feicoop). Foi neste espaço, na tarde desta quinta-feira (11), que a coordenadora do evento, irmã Lourdes Dill, realizou uma fala histórica sobre o futuro do evento que iniciou hoje, em Santa Maria, e que segue até domingo.

Durante o Seminário de Formação: Economia Solidária em Movimento, a religiosa tomou a palavra para falar sobre as dificuldades na obtenção de recursos para a atual edição do evento. Por pouco, a Feicoop não foi cancelada.

“Há dois meses, não sabíamos para onde ir. Para conseguirmos fazer uma Feira de qualidade precisamos de cerca de R$ 500 mil. Só a Praça de Alimentação nos custa R$ 60 mil”, informou.

Irmã Lourdes relatou que, este ano, enfrentou dificuldade para conseguir recursos via governo Federal e Estadual. A partir de uma emenda parlamentar e de uma campanha promovida pela Cáritas Rio Grande do Sul e pelo Projeto Esperança/Cooesperança, foi possível arrecadar cerca de R$ 230 mil, o que ainda não cobre todos os custos desta edição.

26ª FEICOOP. “SM não vende espaços e não cobra ingressos”, enfatiza a coordenadora, Irmã Lourdes Dill - maiquel-feicoop-seminário-de-formação

Grande público prestigiou o Seminário de Formação em Economia Solidária, no primeiro dia, no Centro de Referência Dom Ivo Lorscheiter

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO FINAL DE SEMINÁRIOS E OFICINAS 

Frente à falta de recursos, irmã Lourdes chegou a ser aconselhada a cobrar o aluguel de espaços para os expositores ou o ingresso dos visitantes. Porém, logo refutou tal possibilidade.

“Santa Maria não vende espaços e não cobra ingressos, pois vai contra nossos princípios de Economia Solidária”, frisou.

Como alternativa, nesta sexta-feira (12), às 16h, junto à Abertura Oficial, será lançada uma campanha de arrecadação permanente para a Feicoop. O objetivo é chegar até o final do ano com um valor que permita a realização da Feira.

“Esta será a Feira da resistência e da insistência. E talvez seja a melhor forma para fortalecemos o Brasil na Economia Solidária. Santa Maria tem uma Feira teimosa, só não confundam com freira teimosa”, brincou a irmã para os aplausos de todos os presentes no Lonão Resistência.

Em sua fala, a religiosa também agradeceu a Prefeitura de Santa Maria, que ajuda com toda a infraestrutura do evento, e a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), que colabora na captação de recursos.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO FINAL DE ATIVIDADES CULTURAIS

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A FEICOOP

A FEIRA

A Feicoop é uma grande escola de organização, formação de convivência, do voluntariado e dos Movimentos Sociais e Economia Solidária. São 26 anos de construção coletiva e interativa. É um braço do Fórum Social Mundial, que constrói um “Outro Mundo Possível” e uma “Outra Economia que já Acontece!”.

A 26ª EDIÇÃO

A 26ª Feicoop será realizada de 11 a 14 de julho de 2019, no Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, em Santa Maria-RS, com o tema “Construindo a sociedade do bem viver: por uma ética planetária”.

LOCALIZAÇÃO

A maioria dos eventos da Feicoop ocorre em três grandes ambientes interligados, localizados na Rua Heitor Campos, Bairro Medianeira, em Santa Maria-RS: o Parque da Medianeira, onde são instalados os lonões dos seminários, o Palco da Feira e a Praça de Alimentação; o Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, onde se concentra a feira de produtos em pavilhões; e o Colégio Irmão José Otão, cujas salas de aula recebem oficinas, reuniões e encontros.

HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO

Quinta-feira (11): Dia de chegada de caravanas. Não ocorre comercialização de produtos, apenas seminários de formação em Economia Solidária
Sexta-feira (12): 7h30min às 20h
Sábado (13): 7h30min às 20h
Domingo (14): 7h30min às 18h

INGRESSO

A entrada é gratuita em todos os eventos da Feicoop.

ALIMENTAÇÃO

O almoço será servido entre 11h30min e 14h e, este ano, terá o valor de R$ 15,00. O tíquete para o almoço deve ser adquirido na banca localizada no fundo do Pavilhão 1, de preferência, até as 10h de cada dia.  Cada almoço dá direito a um pedaço de carne. Se a pessoa desejar um segundo pedaço, deve adquirir um tíquete no valor de R$ 2,00.  A Feicoop também conta com Praça de Alimentação, junto ao Palco da Feira, no Parque da Medianeira, que serve lanches variados.

CAMPANHA JUNTOS PELA FEICOOP

Devido à falta de recursos para realização da 26ª Feicoop, o Projeto Esperança/Cooesperança e Cáritas Rio Grande do Sul desenvolvem a campanha Juntos pela Feicoop. A iniciativa visa obter recursos para garantir a estrutura física e logística da Feira.  Doações podem ser feitas, até o dia 31 de julho, pelo site http://caritasrs.colabore.org/Feicoop ou por depósito na conta corrente 30565-0 (Cooesperança), agência 0126 (Banco do Brasil) – CNPJ 93155067/0001.86.

ECONOMIA SOLIDÁRIA

É um jeito diferente de produzir, de comprar, de trocar, de vender, de consumir produtos, oferecer e receber crédito. O que move esta economia é o desejo de que não existam excluídos, que a riqueza produzida no trabalho seja partilhada e que todos tenham qualidade de vida. A Economia Solidária é também uma estratégica de desenvolvimento sustentável que considera todas as dimensões (econômica, social, cultural, ambiental, política…).

FORMAÇÃO

Durante a Feicoop ocorrem práticas do comércio justo e consumo ético e solidário, trocas solidárias com moeda social e atividades de formação e interação. Não há consumo de cigarros e bebidas alcoólicas (vinhos e cervejas artesanais vendidos na Feira não devem ser consumidos no local) e a água não é comercializada durante o evento. A Economia Solidária entende que a água é um bem universal e um patrimônio da humanidade (são disponibilizados bebedouros com água filtrada nos pavilhões da Feira). Refrigerantes também não são vendidos. Os produtos oferecidos na Feira são de procedência ecológica. A organização do evento trabalha com a teoria e a prática, articulando campo, cidade e as diferentes culturas e etnias.

EXPOSIÇÃO

São expostos para comercialização na Feira cerca de 10 mil produtos, entre agroindústria familiar, artesanato, alimentação, hortifrutigranjeiros, plantas ornamentais, serviços e produtos de povos indígenas.

PÚBLICO

Em 2018, 302 mil pessoas prestigiaram o evento. A 25ª Feicoop contou com a representação de 3,5 mil empreendimentos organizados em rede, 583 municípios, 26 estados brasileiros e Distrito Federal; fóruns locais e macrorregionais de Economia Solidária no país; Fórum Brasileiro de Economia Solidária; entidades públicas e privadas; Universidades; Fundos Solidários; Redes Nacionais e Internacionais de Economia Solidária.

ORGANIZAÇÃO

A Feicoop é organizada pelo Projeto Esperança/Cooesperança e Banco da Esperança, braços da Arquidiocese de Santa Maria; Cáritas Brasileira e Cáritas Regional Rio Grande do Sul; Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); e Prefeitura Municipal de Santa Maria, com apoio de diversas entidades e instituições.
Curta a fanpage da Feicoop: https://www.facebook.com/feicoop.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *