ELEIÇÕES 2020. Jorjão confirma a saída da Rede e explica as razões por que escolheu o PDT de Bisogno

ELEIÇÕES 2020. Jorjão confirma a saída da Rede e explica as razões por que escolheu o PDT de Bisogno

ELEIÇÕES 2020. Jorjão confirma a saída da Rede e explica as razões por que escolheu o PDT de Bisogno - maiquel-jorjão

“Busquei um novo partido que fosse coerente com a minha trajetória na defesa dos trabalhadores públicos e privado”, declarou Jorjão

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Allysson Marafiga/AICV), da Equipe do Site

Não foram poucos os partidos que bateram na porta do vereador Jorge Trindade – Jorjão a fim de fazê-lo trocar de legenda. Ele chegou a estar bem próximo do Republicanos, recebendo inclusive convite na tribuna do vereador e presidente municipal da sigla Alexandre Vargas, mas no fim o ex-petista e atualmente na Rede Sustentabilidade decidiu que ingressará no PDT.

“A lei eleitoral tornou inviável que eu continuasse na Rede Sustentabilidade, diante desse cenário busquei um novo partido que fosse coerente com a minha trajetória na defesa dos trabalhadores públicos e privados e na contrariedade à retirada de direitos dos últimos anos”, explica Jorjão.

A Rede não conseguiu, no pleito de 2018, votos suficientes para alcançar a cláusula de desempenho. Pela regra, a legenda perde direito ao fundo partidário e ao tempo gratuito de rádio e TV no período de 2019 a 2023.

A escolha pelo PDT não surpreende, uma vez que a base de eleitores de Jorjão é ligada ao trabalhismo. Além de parlamentar, ele é servidor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Logo, seria inusitado filiar-se em um partido de Direita ligado à Igreja Universal, como é o caso do Republicanos.

“O PDT é o partido herdeiro do trabalhismo histórico e tem se colocado em oposição às políticas dos atuais governos a nível federal, estadual e municipal, que vem tirando direitos dos trabalhadores”, explica o vereador.

Jorjão está em seu quarto mandato consecutivo no Parlamento e já vislumbra a reeleição. No pleito de 2004, então pelo PT, ele conquistou 2.295 votos, ficando na primeira suplência e assumindo uma cadeira no Parlamento no ano seguinte.

Em 2008, reelegeu-se com 3.968 votos. Quatro anos depois, chegou ao terceiro mandato com 2.947 votos, sendo o mais votado entre os petistas naquele pleito.

Em 2016, concorreu pela Rede, e registrou sua menor votação: 1.670 votos, mas o suficiente para garantir o quarto mandato.

“Manter a trincheira de luta na defesa dos interesses comunitários, trabalhistas e sociais é o meu desafio para 2020. E o PDT é o lugar onde vou montar essa trincheira”, afirma o futuro pedetista.

Conforme o Site divulgou na segunda-feira (23), o presidente municipal da sigla, Marcelo Bisogno, deverá efetuar a filiação de Jorjão nos próximos dias (AQUI). A janela para troca de legenda dos vereadores que desejam concorrer em outubro sem perda mandato encerra-se em 3 de abril.



1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *