MEMÓRIA. Crônica esportiva do Rio Grande lamenta morte do veterano Edegar Schmidt. Causa: Covid-19

MEMÓRIA. Crônica esportiva do Rio Grande lamenta morte do veterano Edegar Schmidt. Causa: Covid-19

MEMÓRIA. Crônica esportiva do Rio Grande lamenta morte do veterano Edegar Schmidt. Causa: Covid-19 - 57035ce0-edegar

Radialista Edegar Schmidt participava do “Ganhando o Jogo”, da Rádio Guaíba, até se aposentar, por conta de um AVC, em 2.013

Da Redação do Correio do Povo, com foto de Reprodução/Arquivo Pessoal

O jornalismo esportivo do Rio Grande do Sul perdeu, nesta segunda-feira, Edegar Pascoal Schmidt. Aos 70 anos, ele foi vítima de complicações da Covid-19. O profissional deixou as transmissões de rádio após sofrer um AVC, em 2012.

Schmidt nasceu em Cachoeira do Sul (RS) no dia 27 de fevereiro de 1950. Começou a carreira no Jornal do Povo, de sua cidade natal. Depois veio Porto Alegre, onde passou pelos jornais da Caldas Júnior: Correio do Povo, Folha Esportiva e Folha da Tarde. Posteriormente, foi contratado pela rádio Difusora, onde permaneceu por apenas sete dias, trocando-a pela Rádio Guaíba no final anos 1960. Começou como plantão de estúdio, passando depois a repórter e depois comentarista.

Também trabalhou na rádio e na TV Gaúcha e foi diretor de Esportes da TV Tarobá, afiliada da Rede Bandeirantes, em Cascavel (PR). Em seguida, voltou para Porto Alegre e comandou o Cadeira Cativa, programa esportivo que ele criou na TV2 Guaíba. Ele também criou e apresentou o programa Preliminar, o Som do Futebol, na década de 1970.

Atuou como comentarista e debatedor no programa Terceiro Tempo, na rádio Guaíba, até sofrer um AVC, quando aposentou-se e deixou o rádio.

PARA LER A ÍNTEGRA,  NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *