EducaçãoEstadoSaúde

COVID. Municípios gaúchos reafirmam sua posição contrária à volta agora das aulas presenciais no RS

Famurs não quer o retorno às aulas enquanto “não houver segurança absoluta “para crianças, estudantes e servidores de educação”

Da Redação do Correio do Povo, com foto de Reprodução

Em assembleia geral ordinária, nesta terça-feira, a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) reafirmou, com unanimidade, a orientação para a não volta dos estudantes às escolas nas cidades gaúchas. Em deliberação junto a outras entidades, a Famurs se posicionou contrária ao movimento de volta parcial às escolas “enquanto não houver a segurança absoluta para crianças, estudantes e servidores da educação”. A entidade salientou ainda a garantia no cumprimento integral da legislação e protocolos, respeitando a decisão contrária de municípios que consideram sua realidade local.

Direcionado ao governador Eduardo Leite, que empenha uma campanha pela reabertura das escolas, a entidade pediu que o chefe do Executivo não condicione o retorno de nenhuma atividade a eventual retorno presencial das aulas nas cidades gaúchas. A medida, se colocada em prática, pode “ferir a autonomia dos municípios e impor aos gestores municipais pressões e responsabilidades que devem ser suportadas pelo governo do Estado”.

Como solução ao atual cenário, a Famurs reafirmar que o momento é de manter as atividades remotas de ensino. No entanto, solicitar à Secretaria Estadual de Educação, um plano para recuperação das aulas a partir da viabilização do retorno das atividades educacionais em todo o Estado. Por fim, a entidade pede o reconhecer ao trabalho dos servidores da educação que “não tem medido esforços” em levar aos estudantes gaúchos as atividades remotas planejadas em cada educandário.

Em Porto Alegre, o retorno parcial das aulas presenciais iniciou nessa segunda-feira com a volta da educação infantil, ensino profissionalizante, terceiro ano do ensino médio e EJA. Nesta terça-feira, segundo dia do retorno, 198 de 289 instituições da rede pública municipal e comunitária reabriram para receber 2.127 crianças de zero a cinco anos. Na Capital, o Sindicato dos Municipários (Simpa) reafirmou estado de grave em resposta ao retorno do calendário presencial escolar.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Artigos relacionados

ATENÇÃO


1) Tua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo