Artigos

Povo que não tem virtude acaba por ser escravo – Por Giuseppe Riesgo

O título que capitaneia esse artigo, nessa semana, fala por si só. Isso porque há tempos os gaúchos repetem esse trecho a fim de valorizar nossas virtudes em insurgência aos ataques contra a liberdade do nosso povo e da nossa forma de viver. Ou, em outras palavras, das nossas virtudes derivam a nossa liberdade e o nosso direito de trabalhar e viver em paz. Mas em que momento essa compreensão, então óbvia, se esvaiu?

Na semana passada, esse trecho do Hino Rio-Grandense virou destaque nacional quando cinco vereadores de Porto Alegre se recusaram a cantá-lo em suas posses como parlamentares. A acusação? Teríamos um hino racista, pois ao cantarmos esse trecho estaríamos supostamente afirmando que escravos (negros) não possuem virtude ao se deixar escravizar. Nada mais incorreto. A coisa tomou proporção e expôs a precariedade intelectual que a esquerda concede às pautas raciais e como trata levianamente o importante combate ao racismo.

Para explicar, o Hino Rio-Grandense foi concebido pelo maestro Joaquim José de Mendanha, que era negro. Teve sua letra construída pelo poeta Francisco Pinto da Fontoura, o “Chiquinho da Vovó”, que segundo acredita o historiador Ivo Caggiani foi criado pela avó, visto a ausência, junto ao nome de batismo, de sua mãe. Nessa época, a supressão da mãe nos registros significava ascendência indígena ou negra, ou seja, é considerável a chance de que tanto a letra quanto a melodia tenham sido compostas, à época, por negros.

Para além da composição, esse trecho da letra se refere as “virtudes romanas” e os perigos de sua ausência em um povo. Essa referência contextual se perdeu porque, em 1966, a pedido do Deputado Estadual Getúlio Marcantonio, o trecho “entre nós revive Atenas, para assombro dos tiranos. Sejamos gregos na Glória, e na virtude, romanos”, foi suprimido do Hino Rio-Grandense sob o argumento de que as pessoas não o cantavam. No entanto, seu contexto permanece. Um povo sem as virtudes pessoais e públicas de dignidade, verdade, respeito, liberdade, justiça, etc acaba por ser escravo, pois estas são as “virtudes romanas” que libertam o povo da escravidão e da subserviência.

Tudo isso no contexto Rio Grande do Sul versus Império, onde todo o nosso povo estava sendo “escravizado” pelos altos impostos e desmandos do governo central. Esse é o contexto do nosso hino e que fora sumariamente ignorado pelos vereadores em seu ato, supostamente, antirracista. Percebam que nada tem a ver com a cor da pele. Seja negro, seja branco, amarelo ou vermelho. Isso nem mesmo é mencionado no hino. Tem a ver com subserviência ao governo central.

No entanto, para além do desconhecimento de nossa história e do contexto da elaboração do Hino Rio-Grandense, o que os vereadores do PSOL, PT e PCdoB desejam mesmo é apostar no caos social para descontruir e rivalizar entre classes, credos e raças. Afinal, uma simples interpretação textual da letra já permitiria a compreensão do seu contexto.

As virtudes libertam e sua ausência escraviza. Simples e libertador. Só que unir a sociedade e libertá-la nunca foi o verdadeiro objetivo de quem encontra “racismo” no hino. O que eles querem é escravizar politica e ideologicamente os negros, os índios, os LGBTs, as mulheres e demais minorias sob uma retórica segregadora, que sempre foi o objetivo final da esquerda. Políticos e líderes sociais que fizeram dessa (suposta) defesa dos oprimidos o seu meio de vida em sociedade, hoje destilam ódio e proselitismo na pauta sem alcançar nenhum resultado prático na melhoria de vida das minorias que estes afirmam defender. Segregar, desunir, separar e conflitar são apenas tautologias para que a esquerda continue escravizando politicamente pessoas vulneráveis sob um discurso social de inclusão e igualdade. Defendem a diferença, desde que favorável a eles. Defendem o diálogo, desde que concorde com eles. Nada mais falso. Nada mais ineficiente.

A minha esperança é que boa parte da nossa sociedade já percebeu a estratégia. Já notou que a desconstrução da nossa civilização é o caminho escolhido pela esquerda para estatizar nossos meios, nos relegar à miséria e, assim, escravizar politicamente nosso povo. É da manutenção da nossa cultura, do fortalecimento da democracia liberal e do desenvolvimento da liberdade que expandiremos as conquistas dos últimos séculos para todos os povos. Enquanto os liberais colhem resultados e melhoram a vida das pessoas, a esquerda segue demonstrando sua falência intelectual e sua pequenez política. As virtudes romanas presentes em nosso hino é que nos libertarão; não a patética lacração da esquerda. Viva o Hino Rio-Grandense. Vivam as nossas virtudes. Sirvam as nossas façanhas de modelo a toda terra. 

(*) Giuseppe Riesgo é deputado estadual e cumpre seu primeiro mandato pelo partido Novo. Ele escreve no Site todas as quintas-feiras.

ATENÇÃO


1) Tua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

4 Comentários

  1. Em que fere ou causa transtorno se Negros se negarem a cantar o hino?? Se não se sentem mais representados, não cantam… Pronto, vida que segue… Eu não cantarei e isso não vai mudar nada na vida de ninguém… Mas os brancos justificando o hino cada vez torna-se mais cômico… O Deputado aí colocou os autores como sendo Negros… Só rindo…

  2. Maestro era pardo e prisioneiro de guerra.
    O acontecido é cópia do Colin Kaepernick, ajoelhava durante o hino americano. Adaptada para a situação. Objetivo ideológico primário é atacar a identidade cultural do ‘gaúcho’. Identidade cultural que pretendem substituir por outra. Isto termina no que se vê nos EUA atualmente.
    Esquerdistas têm um cacoete pela falta de preparo intelectual. Entram em contradição com extrema facilidade. Exemplo? Defendem o dialogo, mas não conseguem se controlar, logo sai um ‘que leiam um livro e venham debater comigo’.
    Outro aspecto. Se a ofensa concede algum tipo de poder ou ‘patamar moral mais alto’ muita gente vai ‘se sentir ofendido’ mais frequentemente. Controlar quem pode ou não se sentir ofendido também é crucial. Os militantes (negros no caso e fica a questão se estão ou não usando uma causa justa para escudo de frente de uma ideologia espúria) podem fazer o que bem entender e não existe motivo nenhum para os outros se ofenderem, o papel dos outros deve ser obrigatoriamente passiva por uma questão ‘moral’.

  3. Caríssimo Giuseppe, que tal aproveitar o ensejo para adicionar novamente a estrofe perdida? Assim contextualizaria o verdadeiro sentido, terminando com a dúvida e esvaziando o discurso dos hipócritas de plantão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo