Crônicas

Um dia Qualquer – por Roque Aloísio Weschenfelder

O dia acorda como qualquer outro com sua aurora e seus ruídos. Saio para o trabalho pensando nos minutos e nas horas que não serão minhas.

Trabalho como nos demais dias do mês. Bem depois das onze horas sinto que chegou o momento de assumir o trabalho que servirá unicamente para meu sustento. Mais de três horas serviram para os compromissos com a pátria.

Se a pátria não quisesse ser tão paternal, se sua estrutura não tivesse tantos pontos frágeis, se muitas tranqueiras não retivessem em demasia os recursos que deveriam ser destinados a servirem ao bem comum, eu poderia até servir todas essas horas com prazer, mas não é como eu gostaria que fosse.

Ao meio-dia paro e penso na dificuldade de reaver uma requisição indevida. A tecnologia serve muito bem para apoderar-se do que a lei me obriga a entregar de mão beijada. Na reparação da falha, que assim mesmo ocorre, o caminho passa por pedras grandes, por arbustos espinhentos. A lei é cruel para punir os meus enganos, mas benigna demais para reparar os males que sofro.

O dia vai pela tarde espichando em horas a mais. Dessas, parte também não me pertence. Obrigo-me a sacrificar descanso e lazer para poder sobreviver. O juro agiota praticado na antiga pindorama não permite tomar empréstimo sob pena de me sufocar de vez. Queria tanto sentar e ler um livro, buscar momentos para melhorar a cultura, mas é preciso obrar no período a mais. A firma tem encomendas a entregar, é preciso acelerar. No fundo me alegro um pouco: o contracheque pode sair um tanto mais generoso.

Chegou a hora de parar. Não há mais arrebol a contemplar. Quero ir pra casa, estou exausto. Embarco no ônibus e sento, fechando os olhos. O veiculo desloca-se no costumeiro sacolejar até próximo de casa. Desço. Várias lâmpadas da luz pública estão apagadas. Caminho alguns passos.

“Alto lá, isto é um assalto”. Recebo uma paulada na cabeça e caio ao chão. Quando acordo estou sem carteira de onde me tiraram a única nota de dez, com que compraria leite e pão na padaria da esquina, para os dois pequenos e a esposa, que não trabalha porque não há vagas na creche para as crianças.

Chego em casa, ainda tonto da paulada que levei e sujo do barro da rua. Está tudo escuro. A luz foi cortada, havia expirado o prazo de tolerância da companhia.

Bato na porta. Está tudo quieto. Uma vizinha me chama, a esposa e as crianças estão com ela. Os ladrões levaram tudo e só não fizeram mal a meus amores porque não houve reação. A polícia foi alertada, mas não veio até agora passadas quase duas horas.

Abraço a família e saio a caminhar em seguida, sem rumo, dou duas voltas pelo quarteirão, metade escuro. Um carro da polícia chega em alta velocidade, para, sou preso e levado à delegacia. Só pela madrugada sou liberto. O advogado da empresa conseguiu comprovar que eu não era um dos assaltantes de minha casa e de mim mesmo.

A crônica
Um dia Qualquer
, de Roque Aloísio Weschenfelder, de Santa Rosa/RS, conquistou Menção Honrosa na categoria Crônica no 28º Concurso Literário Felippe D’Oliveira, em 2005. A publicação foi autorizada pela Secretaria Municipal de Cultura de Santa Maria. Crédito da imagem que abre a página: Ricarda Mölck / Pixabay.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo