DestaqueEducação

UFSM. Para manutenção da instituição em 2022, Orçamento ainda necessita de mais R$ 31 milhões

Em relação a 2019, antes da Covid, a redução orçamentária chegou a 26,6%

Pró-Reitoria de Planejamento calcula que redução orçamentária de 2022, comparada a 2019, atinge 26,6% (foto Divulgação/UFSM)

Por Fritz R. Nunes (com informações do Andes/SN) / Da Assessoria de Imprensa da Sedufsm

As universidades federais brasileiras necessitam de, no mínimo, R$ 1,8 bilhão a mais do que o previsto para poderem funcionar em 2022. O valor foi comunicado pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) em reuniões, nos dias 25 e 26 de outubro, junto ao Congresso e ao Ministério da Educação (MEC).

No Projeto de Lei Orçamentária de 2022, a previsão é de R$ 5,1 bilhões para gastos discricionários – funcionamento, obras, contratação de serviços de terceirização de mão de obra e despesas com assistência estudantil – para as 69 instituições. No entanto, a Andifes alerta que é necessário, no mínimo, R$ 6,9 bilhões para custear a manutenção das universidades federais e pagar contas essenciais, como energia elétrica, água e serviços de limpeza, segurança e manutenção. 

Quando voltamos o olhar para a UFSM, constata-se que a situação também é periclitante. Conforme a Pró-Reitoria de Planejamento (Proplan), o orçamento de manutenção da UFSM em 2022, se comparado com o último exercício no formato presencial (2019), encolheu em 15,6%, desconsiderada a inflação do período. Quando se leva em conta a inflação, aí a redução orçamentária alcança 26,6%. Com isso, esclarece o pró-reitor, Joeder Campos, para manter o mesmo padrão de funcionamento de 2019, considerando a inflação de lá para cá, são necessários mais R$ 31 milhões no orçamento para a manutenção da instituição.

O titular da Proplan ressalta que não se pode considerar, na análise, os exercícios de 2020 e 2021 devido à atipicidade de funcionamento. Ou seja, a presencialidade na instituição só foi mantida para as atividades essenciais e o formato remoto foi adotado para as demais, o que forçosamente modificou a característica dos gastos. Para 2022, Campos avalia que o desafio será a manutenção de contratos para o atendimento aos protocolos de biossegurança recomendados. E, agravado com a nova realidade de preços devido à pressão inflacionária.

Reposição de perdas

A Andifes tem procurado explicar que as Instituições vêm sofrendo há anos com sucessivos cortes nas verbas, ameaçando, com isso, paralisar as atividades de ensino, pesquisa e extensão. Diante disso, o que as universidades buscam é a reposição das perdas acumuladas.

O valor reivindicado ao MEC não representa uma alta orçamentária, mas apenas a recomposição dos cortes operados desde 2019 e a perda inflacionária, explicita o documento da Andifes entregue ao deputado Hugo Leal (PSD-RJ), relator do Orçamento. “Conscientes da crise econômica, não estamos demandando aquilo que seria necessário para um funcionamento ideal, mas sim aquilo que temos como referência no último ano de funcionamento pleno das atividades [com aulas presenciais] com as correções da inflação”, afirma a entidade…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Fechem as portinhas das salas com o ar a 24 graus, conforme novas desorientações da instituição, em vez de manter janelas e portas abertas com split ou ventiladores ligados, e viva o coronavírus! Belíssima a ideia do retorno presencial!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo