Artigos

A reinvenção dos velhos repórteres estradeiros e o futuro da reportagem – por Carlos Wagner

Não estou puxando a brasa para o meu assado. Mas o somatório de uma série de fatores econômicos, culturais e principalmente tecnológicos deu uma sobrevida profissional interessante aos velhos repórteres estradeiros. Os argumentos que vou utilizar para justificar essa afirmação que fiz não são opiniões. São fatos que estão disponíveis nas páginas dos noticiários, em estudos publicados por universidades e em conteúdos de palestras de gente especializada no assunto. E, claro, tem uma pitada de conversa de boteco. Afinal das contas, estamos falando sobre o exercício da profissão de jornalista. Antes de enfileirar os fatos, vou dar uma explicação que facilitará a vida dos leitores que não são jornalistas e dos jovens colegas. Vamos à explicação. Nas redações dos tempos das máquinas de escrever o repórter que viajava para fazer a cobertura dos acontecimentos ou garimpar novas histórias era chamado de estradeiro. Agora, vamos aos fatos.

Tudo começou pelo ano 2000. Na época, os executivos das grandes empresas de comunicação do Brasil chegaram à conclusão que o repórter velho nas redações custava muito caro. Até então, a longevidade do jornalista era garantida pelo número de prêmios que ele ganhava, pelas matérias de repercussão que publicava, pelos livros que escrevia e pela qualidade das fontes que possuía. As primeiras vítimas das demissões nas redações foram os repórteres estradeiros porque, além de velhos e caros, o estilo de jornalismo que faziam custava uma fortuna para a empresa por envolver viagens. A situação econômica dos jornais, revistas, rádios e TVs foi se agravando nas décadas seguintes, com fuga de assinantes e anunciantes para outras plataformas de comunicação que surgiram com as novas tecnologias. Os velhos que restaram nas redações podem ser contados nos dedos. Claro, eu não estou entre eles. Saí em 2014. Não tenho os dados exatos. Mas nos 35 anos que estive pelas redações, a maior parte deles passei viajando pelas estradas, fazendo cobertura de grandes rolos, principalmente de conflitos agrários, e garimpando novas histórias, como a que se transformou no País Bandido, uma série de reportagens que fiz sobre a região da América do Sul que concentra as fronteiras de Brasil, Argentina e Paraguai.

Se tivesse saído da redação uns 15 anos antes, todo o currículo que acumulei durante esses anos de trabalho não teria utilidade. Por quê? Simples. Antes das novas tecnologias de comunicação um repórter velho que perdesse o emprego teria poucas opções para continuar se comunicando com os leitores. Acabaria colocando o pijama. Agora a situação é outra. Existem sites, blogs e outras plataformas de comunicação que podemos usar e continuar fazendo um bom jornalismo. Num passeio pelas redes sociais podemos encontrar grandes repórteres assinando matérias. Todos os dias aparecem novas oportunidades de trabalho fora da redação. Nós repórteres velhos e estradeiros temos que ter claro uma coisa em nossas cabeças. Nunca houve disputa por vaga nas redações entre os velhos e os jovens. O que aconteceu é que os administradores das empresas usaram os jovens para baixar os salários dos jornalistas e aumentar a sua carga de trabalho. É impossível um repórter fazer um bom trabalho cobrindo várias pautas por dia e publicando em diversas plataformas. Dentro desse quadro, qual vai ser o futuro da reportagem? Observando os jornais (papel e site), rádios e TVs podemos notar que a grande reportagem está saindo das redações e rumando para outras plataformas de comunicação. Nos dias atuais, os repórteres estradeiros foram substituídos nas redações pelos comentaristas (econômico, político, esportivo e outros) que trabalham auxiliados por uma equipe de repórteres jovens. Os comentaristas antigos faziam apuração. Os de hoje não têm como fazer porque precisam publicar em todas as plataformas da empresa. Portanto, comem na mão da sua equipe, que por sua vez é alimentada por assessorias de imprensa, sites oficiais do governo e agências especializadas que são contratadas por profissionais para dar visibilidade ao seu trabalho.

Ea grande reportagem? Ainda não é definitivo. Mas a grande reportagem está migrando para os documentários. Por todos os cantos do Brasil surgem equipes que unem velhos repórteres estradeiros a jovens cineastas na produção de trabalhos. Eu lembro que durante a apuração de uma grande reportagem para o jornal uma quantidade considerável de material não era utilizada pelo simples fato de que “as páginas não são feitas de elástico”, como se dizia na época. No documentário tudo é aproveitado porque pode ser resumido em uma imagem. Tive a oportunidade de ajudar a elaborar o roteiro de documentário. É como se fosse uma grande apuração, porque é preciso ter certeza de cada detalhe. A escolha de uma estrada errada para chegar a um lugar pode significar um aumento significativo nos custos. No jornal, se havia uma coisa com a qual jamais me preocupei era saber quanto custaria ir até a um lugar para fazer uma apuração. Aprendi na marra a levar em conta o custo da apuração. Descobri que o conhecimento do repórter e as suas fontes são itens valiosos na elaboração de um trabalho. Lembro-me que quando trabalhava na redação havia uma brincadeira entre os repórteres que era a seguinte: “faço duas ou três ligações para as minhas fontes e desenrolo a história”. Arrematando a nossa conversa. De uma coisa, meus colegas, tenham certeza. A reportagem como a conhecemos nunca desaparecerá, porque ela é um dos pilares do nosso modo de vida. Não interessa se ela é apresentada como um texto escrito em um jornal, ou num documentário em forma de vídeo, ou seja lá de que maneira for. Interessa é o conteúdo. Tem sido assim desde que o mundo é o mundo.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

(*) O texto acima, reproduzido com autorização do autor, foi publicado originalmente no blog “Histórias Mal Contadas”, do jornalista Carlos Wagner.

SOBRE O AUTOR:  Carlos Wagner é repórter, graduado em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo, pela UFRGS. Trabalhou como repórter investigativo no jornal Zero Hora de 1983 a 2014. Recebeu 38 prêmios de Jornalismo, entre eles, sete Prêmios Esso regionais. Tem 17 livros publicados, como “País Bandido”. Aos 67 anos, foi homenageado no 12º encontro da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI), em 2017, SP.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Os mais antigos que ficam nas redações usam os contatos para complementar o que os jovens apuram. Com o salário de um antigo é possivel contratar dois ou mais jovens, muitos são pejotinhas. Muita gente na rua não é necessario. Audiencia ‘colabora’, manda fotos, avisa dos ocorridos, etc. Empresas só mandam reporteres para cobrir o ‘filé’. Mais jovens tem outra vantagem, já estão habituados com as novas tecnologias. Muita gente que pegou a transição do modelo antigo para o novo se deu muito bem. Já tinha nome e ‘pulou do barco’ para ganhar mais dinheiro e ter mais liberdade. No final das contas é tudo relacionado a um novo conceito de marketing a ‘comunidade ao redor da marca’. Existem documentários e documentiras. Da mesma maneira que os livros, não é porque está num livro ou num documentário que se torna realidade. Há muita propaganda e distorções por aí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo