Artigos

As vidas salvas pela vacina da Covid-19 – por Michael Almeida Di Giacomo

“O mundo mudou? Um pouco, talvez. E a espécie humana.... quando evoluirá?”

Há exatamente doze meses e dez dias recebi a primeira dose da vacina de imunização contra a Covid-19. Era um sábado frio e chuvoso. O tempo feio não intimidou as centenas de pessoas (perto de mil) que estavam desde cedo no ginásio do Clube Dores.

Desde o início da campanha de vacinação tem-se a estimativa de que foram evitadas em todo o mundo a morte de vinte milhões de pessoas. É o que nos diz estudo recente publicado pela revista Lancet Infectious Diseases,

O método adotado também traz que se fosse alcançada a meta da Organização Mundial da Saúde (OMS), vacinar 40% da população em cada país, até o final de 2021, perto de seiscentas mil pessoas poderiam ter sido salvas.

Eu acredito que não tenha existido outro imunizante que, em tão pouco tempo, foi colocado à disposição das pessoas. A vida pôde voltar ao “normal”.

Um fato inegável é que, a partir da crise sanitária provocada pela Covid-19, o dia a dia de milhões de pessoas teve, em algum nível, mudanças significativas.

Pode-se dizer, vivemos uma nova realidade.

As mudanças que o mundo enfrentou, como a “descoberta” de que é possível trabalhar e ter o mesmo desempenho laboral dentro da sua própria casa, ou que um Sistema Único de Saúde – gratuito e universal – é o mínimo que o Estado máximo deve prover à sua população, são algumas das verdades que a realidade nos impõe.

Hoje, dizem – somos pessoas diferentes. Nem melhores, nem piores. Será?

Tenho convicção que a situação pandêmica oportunizou que muitos de nós pudéssemos compreender um pouco mais sobre a espécie humana.

Pelo viés positivo, a solidariedade de milhares que se dedicaram a ajudar àqueles que ficaram desprovidos de sustento próprio. Isso pois, aos nossos olhos, restou explícito o Brasil real, um país com milhões de pessoas invisíveis que viviam, e ainda vivem, à margem da nossa sociedade.

E também ficamos cientes de que há um número considerável de brasileiros a preferir viver na era medieval – onde a ciência não importa e a vacina é tida como heresia.  Aliás, não foram poucas as pessoas que reverberavam esse pensamento e, contaminados, foram à obito, pois não estavam vacinados.

Uma pena. A ignorância mata.

Ontem, dia 28, recebi a quarta dose da vacina.

Em um ano e poucos dias foram necessárias quatro doses para que meu organismo esteja fortalecido, e a doença não evolua para seu estágio mais crítico, caso eu seja contaminado.

Desta vez, não foi preciso acordar às 6 horas da manhã de um sábado e ficar mais de duas horas numa fila. Um simples acesso ao site da prefeitura, e foi possível marcar horário e local, via plataforma on-line.

O mundo mudou? Um pouco, talvez. E a espécie humana…. quando irá evoluir?

(*) Michael Almeida Di Giacomo é advogado, especialista em Direito Constitucional e Mestre em Direito na Fundação Escola Superior do Ministério Público. O autor também está no twitter: @giacomo15. Ele escreve no site às quartas-feiras.

Nota do Editor: a imagem (sem autoria determinada) que ilustra este artigo é uma reprodução obtida na internet. Essa, especificamente, foi retirada d AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Vacina é assunto vencido. ‘Muitos de nós pudessemos compreender mais sobre a especie humana’? Só se iludiram os adeptos do idealismo/romantismo alemão do século XIX. Duvida é entre ingenuidade e ignorancia. Especie humana evolui, mas não para atender as expectativas das ideologias. O que é muito bom, Stalin, Mao, Hitler e o Estado Islamico sabiam o que era melhora para a especie humana. A unica certeza na historia toda é o narcisismo da militancia da esquerda. Diferença nestas hostes fica somente no grau de infantilidade e no nivel de falta de noção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo