EstadoJudiciário

FLASH. Decisão do Tribunal Regional Federal exclui Yeda da ação de improbidade

Yeda: um problema a menos. E uma vitória jurídica indiscutível
Yeda: um problema a menos. E uma vitória jurídica indiscutível

A decisão foi anunciada agora há pouco: por unanimidade, os três desembargadores da 4ª Turma do Tribunal Regional Federal acolheram “agravo de instrumento” impetrado pela defesa da governadora e Yeda Crusius não é mais acusada de improbidade, na ação promovida pelo Ministério Público Federal. Além disso, outros réus, os deputados José Otávio Germano (PP) e Luiz Fernando Zachia (PMDB), tiveram os bens desbloqueados totalmente. E o ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado, João Luiz Vargas obteve o mesmo benefício, ainda que de forma parcial.

Ainda que exista a possibilidade de recurso ao Superior Tribunal de Justiça, e essa deva ser a medida tomada pelo Ministério Público Federal, o fato é que a governadora obteve uma significativa vitória jurídica, com inegável conseqüência política – de resto positiva para a titular do Palácio Piratini.

É evidente, também, que a decisão tomada hoje fortalece a base governista na Assembléia Legislativa, envolta nas discussões em torno do pedido de impeachment de Yeda e na CPI da Corrupção. Mas essa é apenas uma análise preliminar, bem rasa, e de primeira hora. Com certeza, voltaremos ao assunto. Pode aguardar.

SUGESTÃO ADICIONALpara mais detalhes, acompanhe REPORTAGEM publicada agora há pouco na versão online do jornal Zero Hora.

OBSERVAÇÃO: a foto é de Jefferson Bernardes, da Assessoria de Imprensa do Palácio Piratini.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Acabo de ler o comentário no blog da Rosane de Oliveira. Na realidade, o TRF não entrou no mérito das acusações feitas pelo MPF. Os desembargadores apenas concordaram com a tese do advogado de defesa de que o foro para julgamento da governadora é o STJ. Portanto, é cedo para soltar fogos. Não se entrou no mérito de que Yeda tem ou não responsabilidade nos desmandos ocorridos no caso Detran. Parabéns pela agilidade, Claudemir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo