CampoEconomia Solidária

DE SOL A SOL (3). Custos e questões de natureza cultural barram o desenvolvimento das agroindústrias

Fernando e Angélica Pippi, da Agroindústria Pinhal, em Pinhal Grande, já estão legalizados e pretendem começar a vender em Santa Maria os embutidos que produzem
Fernando e Angélica Pippi, da Agroindústria Pinhal, em Pinhal Grande, já estão legalizados e pretendem começar a vender em Santa Maria os embutidos que produzem

Por MAIQUEL ROSAURO (texto e fotos)

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), o Rio Grande do Sul possui quase oito mil agroindústrias familiares que, juntas, movimentam cerca de R$ 10 milhões por ano. Contudo, pouco mais de 500 destas agroindústrias estariam legalizadas. E não é difícil entender esta situação. Custos e cultura são duas barreiras no desenvolvimento destas pequenas empresas.

– Quando chega até mim um produtor que faz um queijo por dia, eu não vou dizer para ele se regularizar. Para ficar dentro do SIM, a Prefeitura não cobra taxas no momento. Porém, haverá gasto com análises laboratoriais (que garantem a qualidade do produto), gasto com responsável técnico (geralmente um veterinário), taxa de bombeiros, alvará de localização e outros impostos que vão surgindo para agroindústrias de pequeno porte – expõe a veterinária Saline Santos.

É muito comum encontrar agricultores que desejam produzir seus produtos dentro de casa. Entretanto, é preciso investir em uma peça separada da residência, que pode ser colocada dentro das normas técnicas exigidas pela legislação.

– Esta é a nossa maior dificuldade, pois muito acham que não vão ter retorno com o investimento. E, infelizmente, muitas vezes não tem. Não basta simplesmente fomentar a agroindústria familiar, é preciso ter onde vender para gerar uma produção. Tentamos explicar isso aos produtores, mas é difícil deles entender. Muitos acham que estamos barrando sua sobrevivência, pois estamos limitando sua renda extra. Já aconteceu de jogarem ovos em frente à Prefeitura como forma de protesto – conta Saline.

Luciano e Ângela Puppi, com a filha Luiza, em Vila Rosa, interior de Restinga Sêca. R$ 44 mil para legalizar produção de mel
Luciano e Ângela Puppi, com a filha Luiza, em Vila Rosa, interior de Restinga Sêca. R$ 44 mil para legalizar produção de mel

Quem compreendeu as vantagens de ter uma produção legalizada é o casal Luciano e Ângela Puppi, da comunidade de Vila Rosa, no interior de Restinga Sêca. Eles investiram R$ 44 mil na construção ao lado da casa onde moram. Há dois anos eles produzam mel, mas foi em outubro que inauguraram a agroindústria Doce Mel.

A construção segue todas as rígidas normas para a produção de mel, faltando apenas o alvará dos bombeiros para finalizar o processo de legalização. Após esta etapa, o casal aguarda ansioso pelo Susaf.

– Nossa esperança é que este investimento traga lucro, pois com o Susaf vamos poder vender em qualquer município do Estado. Em nível federal não recebemos nenhum incentivo. Apenas do município, através da Emater, nós conseguimos R$ 15 mil de financiamento para a construção – alega Ângela.

O principal gasto tem sido com veterinário, o qual assina como responsável técnico pela produção de mel.

– Cobram um salário por mês só para dar a assinatura. É um custo alto para nós, já que o veterinário vem apenas uma vez por ano para fazer a inspeção. Embora a Prefeitura de Restinga Sêca tenha três veterinários, eles não podem nos dar a RT porque são eles que nos fiscalizam. Uma pena, pois do contrário, diminuiria muito os nossos custos – lamenta Luciano.

A meta dos Puppi é produzir mil quilos de mel por ano. A atividade que começou como um hobby tende a ter cada vez mais relevância para a família, que hoje divide suas atenções com a orizicultura. Mas o objetivo está muito além de apenas lucrar com o mel. Eles querem incentivar a pequena Luiza Puppi, de 5 anos, a seguir morando no campo quando crescer.

– O arroz, às vezes, cai um temporal e perdemos nossa colheita. Quero dar o exemplo para a nossa filha, para ela saber de onde vem o dinheiro. Mas vamos deixar que ela mesmo escolha a profissão que desejar – cogita Ângela.

A mesma preocupação com o êxodo rural tem o secretário de Agricultura de Pinhal Grande, Fernando Pippi. A clandestinidade e a burocracia para legalização prejudicam as agroindústrias.

– Hoje em dia, temos que torcer para que os legalizados não saiam do mercado. É comum encontrar em comércios da região produtos de agroindústrias que não investiram na legalização e que cobram um valor bem mais baixo do que os legalizados – explana.

Pippi é proprietário da Agroindústria Pinhal – Fábrica de Conservas de Produtos Cárneos. A empresa existe desde 2000, mas apenas nos últimos anos ele investiu pesado na legalização. O valor total investido gira em torno de R$ 500 mil.

– Nós temos o Sisbi/POA e podemos vender para todo o Brasil. Levamos pelo menos seis meses para conseguir a legalização. E valeu a pena. Hoje temos um produto padrão – garante.

A Agroindústria Pinhal tem três funcionários, mas Pippi também conta com a mão de obra de sua esposa Angélica. Assim como os Puppi, em Vila Rosa, o casal pinhal-grandense também mora ao lado da agroindústria.

– Hoje produzimos linguiça e salsichão. Para o ano que vem, iremos registrar mais três produtos, um salsichão de frango, uma linguiça calabresa e um salsichão premium – tenciona Pippi.

Hoje, ele comercializa em mercados e restaurantes de toda a Quarta Colônia, Júlio de Castilhos, Salto do Jacuí e Estrela com a marca Embutidos Pippi. A partir de janeiro, prepara-se para entrar em Santa Maria, Santa Cruz do Sul e Cachoeira do Sul. Atualmente, produz 2,5 mil quilos por mês e, em fevereiro, planeja dobrar a produção.

Em relação ao Susaf, Pippi vê a iniciativa com desconfiança. Segundo ele, o Sisbi/POA exige um calendário rigoroso de análise de cada produto e água, o que também precisa ser exigido pelo Susaf.

– Se o Susaf é uma equivalência do Sisbi/POA, tem que ter o mesmo calendário que eu sigo, pois iremos vender nos mesmos lugares no Estado. Se eu descobrir que tem diferença, vou procurar os meus direitos.

Pippi também alerta para a questão política. Em municípios pequenos, conforme seu entendimento, as agroindústrias podem ficar reféns da vontade dos prefeitos.

– Imagina se troca de gestão municipal em uma pequena cidade “x” e o prefeito é inimigo político do dono da agroindústria. Se o prefeito quiser, deixa de investir no Susaf e o SIM é descredenciado. Por consequência a agroindústria perde o Susaf, deixa de comercializar para fora do município, e tem que refazer todo o processo para se adequar ao Sisbi/POA. Isso pode levar uma agroindústria à falência – projeta Pippi.

Entenda a diferença entre Sisbi/POA e Susaf

O Sisbi/POA, de nível federal, possibilita que estabelecimentos indicados pelos serviços de inspeção equivalentes comercializem seus produtos em todo o território nacional. Com o Susaf, os estabelecimentos indicados pelos serviços participantes poderão colocar seus produtos a venda fora apenas dentro dos limites territoriais do Estado do Rio Grande do Sul.

LEIA TAMBÉM:

“A Agricultura Familiar. Qual o futuro dos pequenos produtores gaúchos, é pergunta crucial” (AQUI)

 “De um lado, a nítida má vontade dos gestores. De outro, a culpa é da burocracia” (AQUI)

A SEGUIR:

“O êxodo rural precisa ser freado” (AQUI)

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo