JudiciárioMinistério PúblicoPolítica

POLÍTICA. Uma encrenca das grandonas à espera de Marchezan, processado pelo Procurador Rodrigo Janot

Marchezan é alvo de processo no STF. Foi-lhe oferecida a “transação penal”. Ele recusou. E…
Marchezan é alvo de processo no STF. Foi-lhe oferecida a “transação penal”. Ele recusou. E…

O caso não é de hoje, mas é bem rumoroso. Injúria e difamação são as acusações transformadas em denúncia da Procuradoria Geral da República e tem como alvo o deputado federal Nelson Marchezan Júnior. Mas, do que se trata? Confira no material publicado originalmente na versão online de A Razão, com informações do Ministério Público Federal. A foto é do arquivo do jornal. A seguir:

Marchezan Júnior denunciado por injúria em comício eleitoral

O deputado federal Nelson Marchezan Júnior foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por injúria e difamação. Durante comício eleitoral da Coligação Unidos por Você, realizado em outubro de 2013, na cidade de Dom Feliciano (RS), o denunciado teria agredido verbalmente o promotor de Justiça do Ministério Público do estado do Rio Grande do Sul Ricardo Cardoso Lazzarin e o juiz do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul Luiz Otávio Braga Schuch.

De acordo com a denúncia, o parlamentar participou do comício em razão da convocação de eleições suplementares no município, resultado de uma ação de investigação judicial eleitoral de responsabilidade do promotor de Justiça Ricardo Lazzarin. A ação investigou abuso de poder político e econômico praticado por candidatos nas eleições de 2012, o que resultou na cassação do mandato do prefeito, do vice-prefeito e de três vereadores, por decisão do juiz eleitoral Luiz Braga Schuch.

Janot destaca que o vídeo que consta da peça processual “comprova, de forma inconteste, a materialidade dos delitos de injúria e difamação previstos no Código Eleitoral”. Segundo ele, está registrado nas imagens e no áudio do discurso do denunciado ofensas à honra objetiva e subjetiva dos agentes públicos. Nelson Marchezan Júnior chamou os dois de “sem-vergonhas” e considerou as condutas deles no processo de cassação dos mandatos de “vigarice”. Marchezan ainda afirmou que a decisão do juiz foi “vagabunda”.

Para o procurador-geral, fica claro, nas declarações do denunciado, o dolo de desqualificar e de ofender a honra dos agentes públicos. “Induvidosamente, as palavras proferidas no discurso ultrapassaram os limites da crítica contundente, ou até da incontinência verbal inconsequente, resvalando para o campo penal da injuria e da difamação”, concluiu.

Benefício – Antes de ser oferecida a denúncia no STF, o Ministério Público Federal propôs ao denunciado o benefício da transação penal. O deputado federal, no entanto, recusou a proposta.”

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

PARA LER OUTRAS REPORTAGENS DE ‘A RAZÃO’, CLIQUE AQUI

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo