POLÍTICA. Oposição, animada após o ‘caso Geddel’, quer investigar Temer e adiar a votação da PEC 55

POLÍTICA. Oposição, animada após o ‘caso Geddel’, quer investigar Temer e adiar a votação da PEC 55

POLÍTICA. Oposição, animada após o ‘caso Geddel’, quer investigar Temer e adiar a votação da PEC 55 - temer-e-calero

Calero disse à PF que foi “enquadrado” por Temer para que encontrasse saída para liberar obra do condomínio baiano (foto Divulgação)

Por HYLDA CAVALCANTE (texto), da REDE BRASIL ATUAL, no jornal eletrônico SUL21

Devido à turbulência política em torno da saída do ministro Geddel Vieira Lima do governo, nesta sexta-feira (25), parlamentares da oposição se preparam para pedir o adiamento, na próxima semana, da votação em primeiro turno, no plenário do Senado, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, que congela os gastos públicos por 20 anos. A matéria está na pauta para terça-feira (29), mas a maior parte dos discursos desta tarde foi no sentido de convencer as bancadas de que não há clima no país para a votação.

Geddel pediu exoneração do cargo durante a manhã depois de toda a repercussão sobre o caso envolvendo uso do cargo por ele, para proveitos pessoais referentes a um investimento imobiliário em Salvador. O empreendimento consistia na construção de um edifício no centro histórico da cidade que tinha sido negada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Na semana passada, Marcelo Calero pediu demissão do cargo de ministro da Cultura acusando o então então secretário de Governo de pressioná-lo para o Iphan liberar a construção.

Ontem, foi divulgado que Calero afirmou, em depoimento à Polícia Federal que teria recebido também um pedido do próprio presidente Michel Temer para que encontrasse uma saída no sentido de liberar a obra, na qual Geddel tinha comprado um apartamento

Em meio à confusão, que levou à queda do ministro, um dos principais defensores dessa possibilidade de adiamento da PEC, o líder da minoria na Casa, Lindbergh Farias (PT-RJ), argumentou que a saída de Geddel do governo não reduziu a crise pela qual passa o atual Executivo. E, diante da expectativa de pedidos de impeachment do presidente Michel Temer a serem protocolados a partir de segunda-feira (28), não considera possível a votação de uma matéria que vai interferir na vida dos brasileiros por duas décadas…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.



1 comentário

  1. O Brando

    Oposição está preocupada unicamente em voltar ao poder. Brasil que se dane. Os milhões de desempregados não caíram de paraquedas.
    Temer é ruim? Se cair, apesar de uns tresloucados acharem que são possíveis eleições diretas ainda este ano, o sucessor será eleito pelo Congresso. E a economia vai para o ralo de vez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *