Eleições 2018PartidosPolítica

ELEIÇÕES. João Vicente Goulart quer resgatar o projeto de Nação interrompido pelo golpe de 1964

João Vicente Goulart (ao centro) foi o primeiro pré-candidato a presidente a visitar Santa Maria, nessa quinta-feira (1º). Ele é do PPL

Por MAIQUEL ROSAURO (texto e fotos), da Equipe do Site

Eram pontualmente 17h quando um senhor com cabelos grisalhos atravessou o Viaduto Evandro Behr e se aproximou dos militantes do PPL que empunhavam grandes bandeiras nas cores verde e amarelo. Bastou algumas pessoas em volta comentarem que aquele era o filho de João Goulart, o ex-presidente Jango desposto pela Ditadura Militar, para que diversos santa-marienses pararem para cumprimentá-lo e, claro, fazerem o registro fotográficos em seus smartphones.

João Vicente Goulart tem 61 anos, mas aparenta ter uns 40 e poucos. E bastam cinco minutos de conversa com ele para perceber uma disposição da juventude de outrora. Embora não tenha juntando um grande número de militantes e seja desconhecido do grande público, Goulart deixou uma boa impressão em Santa Maria.

O pré-candidato a presidente pelo Partido Pátria Livre (PPL) deu atenção a todos que se aproximaram, passeou no Calçadão com o ex-candidato a prefeito Werner Rempel (PPL), tomou café na Boca Maldita, fez um afago nos cães de rua que sempre ficam em volta das aglomerações no Centro e ainda participou de um ato do partido no Viaduto Evandro Behr.

Em meio a toda esta movimentação, o site entrevistou o filho de Jango, que falou sobre a construção de sua pré-candidatura, os planos interrompidos em 64 e as ações que ele pretende retomar caso seja eleito presidente da nação.

Goulart foi muito solicito a todos que se aproximavam dele e também, como manda a tradição, tomou um cafezinho na “boca maldita”

Site – A classe política anda tão desacreditada. Por que o senhor acredita que possa fazer a diferença?

João Vicente Goulart – Temos uma trajetória histórica, um longo exílio nas costas e a memória do povo brasileiro sobre o que ocorreu em 1964. Foi um retrocesso, queríamos construir uma nação brasileira, mas o projeto foi inviabilizado naquele momento. O golpe em si não foi contra o presidente, mas contra um projeto de nação que estava em construção naquele momento, com reformas que modificariam a estrutura do país.

Site – Quais reformas Jango estava prestes a colocar em prática?

Goulart – Agrária, Tributária, bancária…

Site – Reforma Bancária?

Goulart – Sim, até hoje os grandes conglomerados financeiros mantém o crédito em mãos. Há 20 anos tínhamos uns 30 bancos, hoje quatro conglomerados privados detêm 75% dos ativos da nação. Dizem que o é mercado livre, porém é um monopólio com dinheiro da poupança pública e só distribuem para as subsidiárias que lhe interessam.

Site – Quais as outras reformas que foram interrompidas?

Goulart – A Lei de Remessa de Lucro. Os grandes conglomerados hoje são financeiros, não só os bancos. As joint ventures, com Casas Bahia e Ricardo Elétrico, o lucro está no oligopólio e não na venda do eletrodoméstico. Está na venda no mercado financeiros, na venda a prazo em 36 meses. A produção é subjugada ao mercado de capitais. Quando dizem que a Bolsa de Valores subiu ou desceu, trata-se de uma balela do mercado financeiro. Os números de uma nação rica é o pleno emprego, a educação, a saúde pública, a situação sanitária das pessoas. Isso é que buscamos nesse momento. O resgate não só da história, mas o resgate do sonho de uma nação livre.

Site – Por que o senhor deixou o PDT ano passado?

Goulart – Sou fundador do PDT e signatário da Carta de Lisboa. Há dez anos estou no Distrito Federal (DF) porque criamos o Instituto Presidente João Goulart. Tínhamos um projeto do Oscar Niemayer para Brasília, no Eixo Monumental, dentro da composição arquitetônica, e nosso partido, lamentavelmente, no momento em que a nação brasileira devolveu a Jango o seu título de presidente da República, cassado em 64; no momento em que a nação brasileira lhe prestou honras de chefe de Estado, que a Ditadura não permitiu no seu falecimento no exterior ainda no exílio; no momento em que a nação brasileira anulou a fatídica sessão de 2 de abril de 1964, quando o Congresso eleito em 1962 com dinheiro da CIA, através do seu presidente, Auro Moura de Andrade, declara vaga a presidência da República com o presidente dentro do país, legalizando o Golpe de Estado; nesse momento em que estávamos formalizando a reestruturação da História de Jango através do memorial da Liberdade e da Democracia, o Rodrigo Rollemberg (governador do DF) caça o terreno e anula a sessão de uso do terreno. O Rollemberg é do PSB, mas o nosso partido estava na base. Entre o partido e a história de meu pai, eu vou ficar com a história de meu pai e do trabalhismo.

Site – E por que o PPL?

Goulart – O PPL lutou contra a resistência, está em construção, vem do MR8 que lutou contra a Ditadura e está em posição de vanguarda no que tange colocar em pauta as propostas nacionalistas, que são as propostas do trabalhismo antigo, de Jango e Getúlio Vargas. Nessas eleições de 2018 temos a importância fundamental de lutar pela perda desses direitos trabalhistas, que não são do PT, do PSB, do PCdoB. Esses direitos que estão sendo perdidos foram conquistados por Getúlio, com a CLT, por Jango quando implanta o 13º. Essas conquistas são nossas e temos que lutar por elas. E o PPL está disposto a isso. Claro que temos dificuldade. Hoje somos um partido que não temos deputado e senador. O que por uma parte também é bom, nos trás uma tranquilidade, pois não estamos comprometidos com o congresso que ai está. A dificuldade está em uma campanha sem fundo eleitoral e participação na TV, mas a luta se constrói passo a passo.

Site – Como está se construindo sua pré-candidatura?

Goulart – Sou vice-presidente nacional do partido e presidente no DF. Lá, estamos construindo um grande diálogo de ser a terceira via, chamando de Fórum da Terceira via. Nos trazemos uma opção nova. Existe um diálogo, conversando com Rede, PSOL, PV, PPL, PCdoB. Queremos fugir a esse bipartidarismo, de bicandidaturas.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo