Estrelas - por Pylla Kroth

Estrelas – por Pylla Kroth

Estrelas - por Pylla Kroth - pyllaDe São Paulo (SP) – O local onde ocorreu a tragédia da Kiss eu considero solo sagrado. Toda vez que passo ali em frente, dou uma respirada e faço o sinal da cruz.

Tenho uma forte sensação, mas que nem sempre é de apenas tristeza e consternação, as vezes também acentua minha percepção e reforça minha crença pessoal sobre o conceito de morte, que ela não existe de fato, pelo menos não como um ponto final e definitivo, mas que é uma transição para um próximo estágio da existência, imaterial.

Em vida temos apenas um endereço, no sentido de que só podemos ocupar um lugar no espaço por vez. Depois que partirmos do plano material estaremos em todos lugares, em espírito, energia, em memórias na lembrança dos outros por tudo o que aqui vivemos.

Nesta terça-feira, em visita a um grande artista brasileiro aqui na “cidade da garoa”, fomos caminhar até o outro lado da rua onde havia uma praça em círculo com apenas uma árvore viva no Centro de um laguinho artificial.

Era o Memorial 17 de Julho, local do acidente do voo TAM JJ3054 em 2007. Senti ali a forte sensação de espíritos presentes enquanto me encaminhava em direção àquela árvore, que depois fui informado que foi a única coisa viva a sobreviver ao lago de fogo que chegou a absurda temperatura de 1500 °C após a colisão.

Abaixei a cabeça e ali exatamente onde parei estava gravado, ao lado de 198 outros nomes de vítimas, o nome de Richard Salles Canfield. Neste momento, por coincidência, o céu nublado se abriu e o sol se mostrou imponente em toda sua glória.

Chorei, sorri, cantei baixinho como já o fiz em alguns outros momentos passados em nossos encontros, em frente ao seu antigo endereço terreno, no parque Itambé em Santa Maria.

Sim. Ele agora é uma estrela, do tamanho do Sol, junto doutras estrelas, tantos amigos que já partiram, mas que vivem eternamente em nossos corações. Deixei naquele lugar em uma canção minha singela homenagem.

Um dia todos estaremos em todos lugares, se Deus assim permitir.

Ao infinito! E além!



1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *