DestaqueEleições 2020

POLÍTICA. Republicanos cresce nas eleições deste ano e aumenta bastante o poder da Igreja Universal

Em Santa Maria, partido elegeu dois edis: Alexandre Vargas e Getúlio de Vargas

Templo de Salomão, sede da Igreja Universal, em São Paulo. Eleitos no Brasil inteiro, inclusive Santa Maria (foto Reprodução Wikipedia)

Do portal Congresso em Foco – Por Guilherme Mendes

Partido ligado à Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), o Republicanos elegeu 46 vereadores que disputaram as eleições com alguma denominação religiosa em seu nome de urna: do Irmão Mesaque Salazar, eleito vereador com 125 votos em Maraã, cidade de 18 mil habitantes a dois dias de barco de Manaus, até o Bispo João Batista, eleito com 4.679 votos em São Bernardo do Campo (SP).

Esses dados não indicam com precisão, entretanto, quantas pessoas ligadas à Universal se elegeram para cargos nesta eleição. Isso porque a igreja, cuja ação política está na origem e ainda é parte importante do Republicanos, elegeu nomes importante em capitais sem o uso de prenomes religiosos.

Em São Paulo, por exemplo, o vereador André Santos foi o décimo candidato mais votado, com 41.584 votos – ele foi o líder de votos do Republicanos na capital paulista. André, antes de tomar posse do seu primeiro mandato em 2017, era bispo da Igreja Universal. O mesmo aconteceu no Rio de Janeiro, onde o bispo Inaldo Silva teve 21 mil votos e foi o 12º mais votado.

Em Salvador, o “Amigo” Luiz Carlos, pastor da igreja do Bispo Edir Macedo, foi o mais votado com 17.035 – a cidade também elegeu Ireuda Silva, que já atuou como diretora da IURD TV e Julio Santos, bispo na cidade, para a Câmara Municipal. Em Belo Horizonte, o pastor Jorge Santos foi reeleito para um terceiro mandato com 7.700 votos. Jorge, assim como todos os outros citados, foi eleito sem se valer das alcunhas de bispo ou pastor para conseguir votos.

Oficialmente, a Universal diz que política e religião não se misturam. “Como instituição religiosa, a Igreja Universal do Reino de Deus não participa do processo eleitoral”, afirmou a igreja em nota enviada à reportagem. “Além disso, todo membro do corpo eclesiástico que decide ingressar na carreira política licencia-se de suas funções na Igreja, passando a se ocupar exclusivamente da atividade pública”. A entidade também disse não ter um controle de membros que se candidataram a cargos e acabaram eleitos.

Não é bem o que indica quem estuda a relação da instituição com a política. “A Universal inaugurou este tipo de política, lá na década de 1980, já na redemocratização”, explica Lívia Reis, que é pesquisadora do Instituto de Estudos da Religião (Iser) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

modus operandi para eleger pastores a cargos políticos passa pelo uso da estrutura da Igreja – cuja narrativa de nascimento no coreto ao império com canal de TV e presença mundial já está no imaginário brasileiro: “Eles [os candidatos] utilizam tanto a estrutura institucional quanto a estrutura partidária do Republicanos”, explicou Lívia, que resumiu: “Esta estratégia de candidaturas da Universal passa necessariamente pelo Republicanos.”

A fórmula do sucesso

O uso exclusivo do Republicanos – nascido em 2005 dentro da Igreja Universal e até hoje comandada por um de seus bispos licenciados, o deputado Marcos Pereira (SP) – seria a fórmula do sucesso para o aumento do seu capital político.

Uma série de dados coletados pela cientista política Flávia Babireski, pesquisadora do Laboratório de Partidos e Sistemas Partidários da Universidade Federal do Paraná (LAPeS/UFPR), aponta a proposta de organização nas eleições nacionais: na eleição de 2006, em que participou ainda sob o nome de Partido Republicano Brasileiro (PRB), a Iurd lançou menos de 15% dos seus candidatos pela legenda, valendo-se de nomes no PTB, DEM e MDB. Desde 2010, porém, 100% dos candidatos estavam vinculados ao PRB – e não há indicativo de que isso tenha mudado…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo