Caminho Livre

Jeitinho indiano – por Bianca Pereira, de Chandigarh, Índia

Vista disponível à blogueira e suas companheiras de morada. Mas até chegar a isso, não faltaram obstáculos a ultrapassar
Vista disponível à blogueira e suas companheiras de morada. Mas até chegar a isso, não faltaram obstáculos a ultrapassar

Ah, o jeitinho indiano! E nós pensando que éramos únicos, por termos o “jeitinho brasileiro” de fazer as coisas!

Para vocês entenderem o que é lidar com indianos vamos começar falando do meu visto. O problema não foi a demora, falam que pode levar de uma semana a um mês, o meu ficou pronto em duas, mas ninguém te dá informações corretas.

É preciso fazer um formulário online e esse formulário te dá um número para acompanhar o processo. Claro que o número não serviu para nada! Depois disso, se envia todos os documentos para o Consulado em São Paulo (há outros, mas para o sul a responsável é este) pelo correio e se espera o pacote de volta com o visto.

LIQUEI para lá quase todos os dias durante as duas semanas para saber quanto tempo demoraria para o visto ficar pronto (precisava resolver as datas das passagens e sem o visto não há como viajar). Tentei entrar no site e acompanhar o processo durante todo o período, porém o número nunca entrou. Ao ligar para a embaixada me pediam o número do processo e diziam que ficaria pronto em um ou dois dias. Essa foi a resposta todas as vezes que liguei, mesmo nos dias em que eles já haviam enviado de volta o passaporte. Estava fora da cidade quando o visto chegou, numa sexta-feira se não me engano, e de onde eu estava liguei para o Consulado e me falaram que semana que vem ficaria pronto e estariam enviando de volta… mesmo eles já tendo enviado e o visto estando na minha cidade!

Começaram a entender?

Pois é; aqui já passei e vi várias situações assim. Eles te falam uma coisa e fazem outra, quando respondem! Muitas vezes balançam a cabeça e falam “handi” (algo entre entendi e sim) e fica por isso, quando não começam a falar em hindi, por mais que saibam que tu não entende nada. Tu explica mil vezes para eles o que quer e eles não entendem ou fingem não entender. O pior é quando estão em um grupo e começam a falar em hindi e rir bem na tua frente!

Que fique claro que não são todos os indianos. No meu trabalho ninguém fez isso até agora, e eles respondem todas as perguntas e comentários que eu faço, mas encontrei mais gente que não responde e não entende na maior parte dos lugares que fui.

Buraco no quarto: que aumentou em dois dias e “sem ninguém dentro”
Buraco no quarto: que aumentou em dois dias e “sem ninguém dentro”

O APARTAMENTO foi o mesmo processo. Eu e as duas meninas que iriam morar comigo desde o inicio decidimos nos mudar e procurar mais uma pessoa para dividir um apartamento de dois quartos, mobiliado e com chuveiro e cozinha, se possível. O corretor era conhecido do meu chefe, o que deixa tudo mais fácil. Não nos entendemos varias vezes, mas conseguimos pessoas que ajudassem a mostrar que tipo de lugar queríamos morar.

Vimos muitos lugares! Apartamentos mobiliados não são muito comuns aqui. Pelo que entendi, ainda é um conceito novo. A maioria fica em casa de famílias, no andar de cima ou nos fundos e possuem varias regras, especialmente para mulheres. Não podemos chegar tarde  ou conversando (ate poderíamos, já que meu horário de trabalho e a noite), não podemos levar amigos – homens no apartamento nem pensar! Família só avisando antes e praticamente teríamos que dizer o que fazemos, quando e com quem para os donos do lugar.

É DIFÍCIL achar um lugar sem tantas regras, mas finalmente encontramos um! Bem acima da imobiliária, o que facilita se precisarmos de qualquer coisa e teríamos a liberdade de fazer jantas e festas e receber quem bem quisermos em casa. Dois quartos, cozinha, sacada, terraço, banheiro (com chuveiro!) e uma pequena sala, além de grande parte dos móveis.

Claro que não foi tão fácil. Quando decidimos que queríamos o apartamento, outro grupo de meninas já havia pago o valor para reservar o lugar. Continuamos a buscar por outros lugares, porém, misteriosamente, dois dias depois o apartamento ficou vago de novo. Fechamos com o corretor e os donos e fomos rever o lugar. Havia um buraco enorme no teto de um dos quartos, que não existia antes, e estava vazando agua do apartamento de cima!

PEDIMOS para arrumar o buraco e perguntamos dos móveis, quais ficariam, quais sairiam e se havia como colocar ganchos para os varais, espelho no banheiro, prateleiras e sobre o cilindro do gás para cozinharmos. Nos disseram que tudo seria resolvido no próximo dia e estaria pronto para quando nos mudássemos. O corretor nos ligou no outro dia dizendo que estava tudo pronto e pedindo a sua comissão, mas só a pagaríamos no dia da mudança, junto com o aluguel e seguro.

Entrada do prédio em que fica o “apê”, residência da nossa blogueira
Entrada do prédio em que fica o “apê”, residência da nossa blogueira

Nos mudamos na sexta (dia 2/9), com a chegada da terceira garota. E imaginem a nossa surpresa quando chegamos lá e nada estava pronto? O buraco estava maior, o apartamento estava imundo e havia coisas de outra pessoa lá (apesar de ninguém estar morando). Passamos horas discutindo e tentando mostrar que aquilo não estava certo, que haviam nos dito que o apartamento estava pronto para nos mudarmos e que não iriamos pagar nada ate tudo estar 100%.

QUANDO ouviram a frase “não iremos pagar”, o corretor e os proprietários resolveram se mexer para arrumar o local. Mandaram o empregado da imobiliária limpar o chão (sem produto nenhum, apenas a vassoura e um balde com água), fizeram ligações sobre o buraco e nos falaram que poderiam fazer tudo que pedimos em dois dias. Acabamos nos mudando mesmo assim e pagamos metade do valor devido.

Faz nove dias desde que nos mudamos e recém ontem pagamos o valor completo. Foram horas em casa esperando por eles aparecerem para fazer algo, e cada dia era algo diferente, nunca tudo junto e sempre tendo que discutir e lembrá-los de algo mais que faltava. Sem contar as mil ligações e encontros em que eles nos lembravam que tínhamos que pagar e nós respondíamos que só depois que tudo estivesse ok. Ainda não temos o cilindro para o gás, e a internet não é com eles, porem o buraco esta fechado e a casa esta em ordem.

ÓBVIO que passamos nossos três primeiros dias no apartamento fazendo uma faxina geral, compramos produtos de limpeza, vassoura (se pode ser chamada de vassoura) e panos. Arrumamos nossas coisas nos guarda-roupas e compramos coisas para a cozinha. Estamos nos sentindo mais em casa e já fizemos nossa festinha de boas vindas ao apê.

Porem, esse é o jeitinho indiano, sem respostas diretas, com demora para achar qualquer solução, demora para fazer o prometido e sem muita noção de tempo! Tudo demora muito para ser feito aqui. Se você gosta de cumprir horários e de gente que chega na hora marcada… aqui definitivamente não e o seu lugar!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo