SALA DE DEBATE. Luta dos professores, carroças e meio ambiente e trabalho, Black Weekend na cidade

SALA DE DEBATE. Luta dos professores, carroças e meio ambiente e trabalho, Black Weekend na cidade

SALA DE DEBATE. Luta dos professores, carroças e meio ambiente e trabalho, Black Weekend na cidade - sala-11

Editor(E), mediador Roberto Bisogno e convidados: Giorgio Forgiarini, Werner Rempel, Ruy Giffoni e Eduardo Rolim (foto Gabriel C. Prado)

Foram três temas grandões, significativos em si mesmos, a predominar no “Sala de Debate” desta quinta-feira, entre meio dia e 1 e meia da tarde, na Rádio Antena 1 – com a ancoragem de Roberto Bisogno. Para começar, e contando de novo com a interação dos ouvintes, um dos temas recorrentes nesta semana: a proposta do governo municipal e, gradativamente, acabar com os veículos de tração animal (leia-se carroças) em Santa Maria.

Afora o tempo ocupado para debater esse assunto, que diz muito sobre Santa Maria, este editor e os convidados do dia – Giorgio Forgiarini, Werner Rempel, Ruy Giffoni e Eduardo Rolim – se debruçaram sobre duas questões igualmente importantes e, sobretudo, do momento. Uma delas a grande data do varejo santa-mariense, a Black Weekend, que chega à meia noite de hoje e vai até domingo. A outra, que levou a interessantes depoimentos dos integrantes do programa, é a mobilização justa do magistério estadual, em greve desde a última segunda-feira.

PARA OUVIR O “SALA” DE HOJE, BLOCO POR BLOCO, CLIQUE NOS LINQUES ABAIXO!!!

 



1 comentário

  1. O Brando

    Carroças, cavalos, reciclagem. Município de Santa Maria. Não são as mudanças climáticas, o Brexit, crise migratória, Oriente Médio, finanças gaúchas ou o desenvolvimento do país.
    Faltou algum burocrata falar na politica nacional de resíduos sólidos.
    Mestrado e doutorado em educação na UFSM, conceito 4 na Capes. Mestrado e doutorado em educação na PUCRS, conceito 6 na Capes. Mestrado e doutorado em educação na Unisinos, conceito 7 na Capes (o mais alto possível). Alguém pode falar mal dos professores da PUCRS ou da Unisinos? Que provavelmente ganham menos (um professor adjunto na Unisinos ganha perto de 70 reais a hora e da PUCRS perto de 64 reais; um professor adjunto numa IFES começa com 9600 mensais, retirando a gratificação e considerando contrato de 40 horas recebem praticamente o dobro) e não tem estabilidade?
    Magistério é uma profissão como qualquer outra, não é uma coisa ‘santificada’ que flutua entre o céu e a terra. Educação idem. Na prova do PISA o Brasil está na média 10 posições atrás da Argentina e 20 posições atrás do Chile.
    Quanto a controvérsia CPERS/professores/Dudu Milk o que decidirem para mim está bom. Não caí na balela do ‘fluxo de caixa’.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *