Claudemir PereiraJornalismo

COMENTÁRIO DO DIA. Dissidências a caminho

Com um minuto de duração, o comentário do editor, originalmente divulgado há uma hora, na Rádio Antena 1. Diariamente, de segunda a sexta, ele é reproduzido aqui, com a autorização da direção da emissora. Clique no link:

ATENÇÃO


1) Tua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Cladistone, o indigesto, não sabia que iria receber os votos do PT. Tanto que gastou os tubos em gente chacoalhando bandeira por aí no meio da pandemia e lutou uma guerra suja até os 45 do segundo tempo, aumentando o próprio desgaste. Movimento petista ficou evidente pelo numero de votos, se houvesse ‘revolta’ contra orientação partidária muito dificilmente seria total, muitos anulariam, votariam em branco ou não compareceriam. Tudo indica que não houve combinação.
    Já nos partidos derrotados vamos ver a vergonha na cara na hora do secretariado. Muita gente pode fingir dissidência para conseguir uma boquinha ou acomodar o próprio partido no governo tucano, manter as aparências.
    Finado Ulissio dizia que em politica até a briga tinha que ser combinada, senão era coisa de amador. Mais ou menos assim, só que nem sempre. Caso contrário Gege não tinha cometido suicídio, Jânio não tinha rencunciado, Jango não tinha caído, Dilma, a humilde e capaz, tinha conseguido comprar os votos para evitar o impichamento e Marchezan tinha sido reeleito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo